EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quarta-feira, 31 de janeiro de 2018

CARTA DO REFÚGIO - TEATRO - DIVERSIDADE CULTURAL - INSCRIÇÕES

Fonte : Assessoria de Imprensa SESC 

Carta Sobre O Refúgio - Ações Para Se Pensar Uma Sociedade MigranteOFICINA TEATRAL COM GRUPO PERFORMATRON

Ação de caráter artístico-pedagógica que propõe através da experimentação do processo criativo do grupo Performatron, o estímulo às ações que pensem a integração de imigrantes e refugiados que vivem em território brasileiro. Partindo de materiais que compõem o espetáculo São Paulo Refúgio, a oficina discute a migração no Brasil. A vivência tem como objetivo estimular o pensamento crítico e apresentar ao público as técnicas de consciência corporal e concepção cênica desenvolvidas pelo grupo teatral, além de contribuir para o desenvolvimento de um repertório pessoal de exercícios de criação artística.
Disponibilidade: 20 vagas.
Inscrições presenciais na Central de Atendimento, ou on line.

SAMBA DO ABSURDO NO SESC SANTO AMARO

Fonte:Assessoria de Imprensa SESC 

Os sambas, parcerias de Rodrigo Campos (música) e Nuno Ramos (letra), são apresentados pelos três artistas. A proposta estética tem no cerne a quebra de alguns alicerces do samba enquanto gênero. Essa quebra oferece um samba obscuro, dissolvido, vertiginoso - pisandos num terreno pantanoso, e talvez essa sensação se pareça mesmo com o Absurdo. Juçara canta, Rodrigo toca violão e cavaco e Gui arranja, fazendo valer seus recursos de produtor e sua maneira peculiar de samplear. No show, o trio apresenta, além dos oito sambas que compõem o disco, outras canções que de alguma forma 
também contemplam o Absurdo.
SESC SANTO AMARO
DIA 23/2 AS 21H. 
INGRESSOS VEJA NO SITE DO SESC. 


Local: Teatro (1° andar).

(Foto: Luan Cardoso)

EMICIDA FAZ UMA REVERÊNCIA CLEMENTINA DE JESUS - SESC SANTANA

Fonte : Assessoria de Imprensa SESC 

EmicidaOBRIGADO, CLEMENTINA!


O partido-alto é o freestyle tupiniquim. Esse repente do Sudeste curiosamente  traz em suas primeiras três letras o gênero pelo qual Emicida entra na música brasileira. 
O rap, através de sua cultura de samplers, sempre buscou fazer reverências a suas referências. Homenagear quem veio antes e abriu caminho para que hoje estejamos aqui. 
Desde os anos 80, através do experimentalismo do grupo da zona norte de São Paulo The Brother's Rap, a batida do pandeiro acompanhada de cavaco já se tornava um ingrediente que traria novos ares a ambos os gêneros. 

ATENÇÃO ; INGRESSOS ESGOTADOS NA WEB, VER NA BILHETERIA 
Telefone da unidade; (11) 3871-7700

São músicas de favela, com origem em lugares idênticos, e é impossível que qualquer gênero musical exista dentro do Brasil sem sofrer a influência cultural deste imenso gigante que é a criatividade brasileira. 
Neste espetáculo, um desejo antigo, Emicida, o maior ícone do rap de improviso ou freestyle do Brasil, reverencia a rainha do partido-alto Clementina de Jesus, uma de suas maiores referências. 
A quantidade máxima permitida para compra é de 2 ingressos por pessoa.

Teatro.  

(Foto: José de Holanda)

PAULINHO DA VIOLA E SUA FILHA BEATRIZ RABELLO NO SESC POMPEIA - 8 A 11/2


Fonte : Assessoria de Imprensa SESC 

Paulinho da Viola se junta à filha Beatriz Rabello para um show em clima de bloco carnavalesco, em que se canta o amor, as alegrias e tristezas dos encontros e desencontros amorosos. Com setlist baseada no repertório de samba de Paulinho, pai e filha sobem ao palco apoiados pelo grupoMulato VelhoFernando Brandão (cavaquinho), Rogério Souza(violão), Sidão Santos (baixo), Flavio Santos (bateria), Daniel Karin(percussão), Felipe Tauil (percussão), Whatson Cardoso (sopros) eDudu Oliveira (sopros), além da participação especial do violonistaJoão Rabello, também filho de Paulinho.

Horários e valores de ingressos consulte site do SESC 

Vendas limitadas a 2 ingressos por pessoa.
Local: Teatro*
*O Teatro do Sesc Pompeia possui duas plateias (lados par e ímpar) e galerias superiores não numeradas. Por motivo de segurança, não é permitida a permanência nas galerias, de menores de 12 anos, mesmo acompanhados dos pais ou responsáveis.
(Fotos: Divulgação / Lívio Campos)

RACE - PEÇA TEATRAL


Fonte : Assessoria de Imprensa SESC 

O espetáculo apresenta os bastidores da construção da defesa de um rico empresário branco acusado de estuprar uma jovem negra, colocando o público como protagonista no que tange a questão de quem tem razão, e deixando portas e janelas abertas para diversas interpretações.
Com a Cia Epigenia

De 22 a 24 de fevereiro 
Horário e ingressos consulte site do SESC

Texto | David Mamet
Direção | Gustavo Paso
Elenco | Clovis Gonçalves, Gustavo Falcão, Heloisa Jorge e Leandro Vieira.

Local: Auditório (3º andar).
Duração: 75 minutos.
Recomendação etária: Livre.
Não é permitida a entrada após o início do espe
(foto: Geraldo Junior)

NOCA DA PORTELA E NILZE NO SESC POMPEIA EM 10 E 11/2


Fonte : Assessoria SESC 


Nilze E Noca Da PortelaPROJETO MADUREIRA EM SAMPA



“Berço do Samba” é o apelido carinhoso de um dos mais populares bairros da cidade do Rio de Janeiro, Madureira, eternizado nos versos de “O Meu Lugar” de Arlindo Cruz e de tantos outros nomes da MPB. O bairro carrega o verdadeiro espírito do subúrbio carioca e de lá saíram grandes nomes da nossa música, principalmente do samba, já que ali também é reduto de duas das mais tradicionais escolas de samba, Império Serrano e Portela.
Como não poderia deixar de ser, a renovação é sintomática e inspira novos sambistas, dessa forma o projeto “Madureira em Sampa” trás dois shows dos mais novos representantes das duas agremiações mais famosas do bairro, que ainda colhem o prestígio das merecidas conquistas alcançadas no ano passado no carnaval carioca e que trouxe ainda mais notoriedade para o bairro.
Depois do Pretinho Da Serrinha, é a vez de Nilze de Carvalho, que representa a grande campeã do grupo especial e convida sua mais nobre figura, homenageando a Portela, temos o compositor Noca, voz de grande relevância no mundo do samba e considerado um dos bambas do samba carioca. Criado na Zona Norte, é um apaixonado por Madureira e pela águia azul e branca da Portela, escola de seu coração, à qual dedicou 42 dos seus 56 anos de samba.

D

Vendas limitadas a 6 ingressos por pessoa.
Local:
 Comedoria*
*A capacidade do espaço é de 800 pessoas. Assentos limitados: 150. A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa às 20h00.
(fotos: Valeria Martins/Carla Vieira)

SESC BIRIGUI APRESENTA NOCA DA PORTELA "MANIA DE SAMBA"


Fonte : Assessoria de Imprensa SESC 
Foto: Divulgação 


Batucadas - O projeto promove o acesso do público a músicos e repertórios relevantes dentro do samba




Nesse show, Noca da Portela, o autor de diversos sambas de

 enredo premiados da história da Portela, canta alguns de

seus sucessos, como Vendaval da Vida (gravado por 

Alcione), Virada (sucesso na voz de Beth Carvalho)

, Caciqueando (gravado pelo Fundo de Quintal), É Preciso 

Muito Amor (Chico da Silva) e Lado a Lado (Almir Guineto). 

Além disso, homenageia alguns de seus ídolos,  como

 Paulinho da Viola e Candeia.

Dia 9/2, sexta, das 20h às 21h.


Teatro.


Grátis - Retirada de ingressos com 1h de antecedência.

Foto: Divulgação

LIBERTÁRIA - Programação para adultos apresenta VERSOS PORNOGRÁFICOS (Chico César)


Fonte: Assessoria Imprensa SESC 

Espetáculo lírico-musical a partir do livro “Versos 
Pornográficos” de Chico César.
No palco, Chico canta parte do repertório musical de sua 
carreira, enquanto a atrizBárbara Santos recita e performa 
seus poemas. Uma apresentação em que a relação artística, 
afetiva, sexual e amorosa dos artistas, que são também um 
casal, é colocada em cena.


De 09 a 11/2 

Consulte horários no site do SESC


Chico é um cantor, compositor e escritor paraibano, que em 
mais de 20 anos de carreira já lançou oito discos de estúdio:
 "Aos Vivos" (1995), "Cuscuz Clã" (1996), "Beleza Mano" 
(1997), "Mama Mundi" (1999), "Respeitem Meus Cabelos, 
Brancos" (2002), "De Uns Tempos Pra Cá" (2006), 
"Francisco, Forró Y Frevo" (2008) e "Estado De Poesia" 
(2015). Além dos livros "Cantáteis", "Rio Sou Francisco" e o 
recente “Versos Pornográficos”.
Atriz e performer, a também paraibana Bárbara 
Santos formou-se em ciências religiosas na UFPB. 
Atualmente, Bárbara é integrante do coletivo Estopô Balaio e

 já participou de processos e espetáculos com a Cia. do 
Latão e o Núcleo de Estudos do TUSP.



Duração: 01h30
Local : Teatro 


[Foto: José de Holanda]




PROJETO ÀTTØØXXÁ NO SESC POMPEIA

Fonte : Comunicação SESC 


ÀTTØØXXÁ é um projeto idealizado pelo produtor musical Rafa Dias, um dos novos
 exponentes da música pop baiana. É uma trilha sonora que envolve liberdade, corpo, 
dança e autoestima. O futuro que se faz presente. Há 7 anos, se juntou com outro 
baiano, OZ, que aumentou a referência percussiva do projeto. Juntos, fazem uma música 
na qual o pagodão se une a diferentes frentes periféricas da bass culture mundial e se 
encontram em referência à ancestralidade e um desapego ao significado da palavra 
gênero.
Com dois discos lançados, ÀTTØØXXÁ já se apresentou em grandes festivais no Brasil 
como o RecBEAT e Coquetel Molotov (PE), Favela Sounds (DF), Festival Bananada (GO), 
sem falar dos Bailes Playsom, na capital Baiana.
Vendas limitadas a 6 ingressos por pessoa.

Local:
 Comedoria*

*A capacidade do espaço é de 800 pessoas. Assentos limitados: 150. A compra do 
ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa às 20h00.
(foto: Rafael Ramos)

Os Cadernos de Kindzu, do Amok Teatro, estreia em São Paulo


Temporada no Rio de Janeiro rendeu à montagem 13 indicações a prêmios (Shell, Cesgranrio, Botequim Cultural e APTR)

palco-Cadernos-de-Kindzu_Foto-Daniel-Barboza-1
Figura 1 Cena de Os Cadernos de Kindzu - Foto de Daniel Barboza

Fonte : Márcia Marques (Canal Aberto) / Fotos Daniel Barbosa 

'Os Cadernos de Kindzu' comemora os 20 anos de estrada do Amok, que já montou, nessas duas décadas, uma trilogia sobre a guerra, Shakespeare, se debruçou sobre temas como loucura, ancestralidade, ciganos e o agreste brasileiro.
O Amok Teatro, fundado em 1998, é um grupo carioca ganhador de alguns dos mais importantes prêmios do teatro brasileiro. Agora, em 2018, traz a São Paulo seu mais recente trabalho, Os Cadernos de Kindzu, para estrear na Caixa Cultural São Paulo(Praça da Sé, 111, Centro, São Paulo)  dia 1º de fevereiro para curtíssima temporada (até 18 de fevereiro). Com direção de Ana Teixeira e Stephane Brodt, a nova criação do Amok tem como ponto de partida a obra “Terra Sonâmbula” e o universo do escritor moçambicano, Mia Couto.
O espetáculo conta a trajetória de Kindzu, que parte para uma viagem iniciática a fim de fugir das atrocidades de uma guerra civil. Ao encontrar outros fugitivos, refugiados e personagens repletos de humanidade, o jovem tem a oportunidade de vivenciar novas experiências.
“Como o menino Muidinga e o velho Tuahir do livro de Mia Couto, mergulhamos nos doze cadernos que compõem o diário de Kindzu e trilhamos a via das narrativas que revelam a dimensão onírica e mítica da existência, como formas de resistir à violência”, declara a diretora Ana Teixeira.





Kindzu é parte de uma trajetória iniciada com “Salina (A Última vértebra)”, na qual o grupo investiga as formas narrativas, com inspiração em tradições de matriz africana. Salina e Kindzu trazem duas diferentes visões sobre o continente africano e duas diferentes propostas de linguagem cênica: Enquanto Salina é um mergulho numa África ancestral, Kindzu faz uma incursão numa África pós-colonial.



“O texto de Os Cadernos de Kindzu foi abordado com a abertura de quem busca um diálogo criativo e não uma tradução cênica de uma obra literária. Ao longo desse processo, uma nova narrativa foi se construindo. A trajetória de Kindzu e seus companheiros encontraram uma identidade própria na cena, porém não se afastaram da escrita de Mia Couto, da sua riqueza poética e suas imagens, ancoradas na cultura oral africana”, explica Stephane Brodt. 

Passando do conto à ação e da palavra ao canto, o espetáculo propõe uma incursão na guerra de independência do Moçambique, para explorar a natureza humana e a necessidade de reconstruir a vida e a memória. A música, a literatura e o teatro se fundem numa expressão única e indissociável. Com Os Cadernos de Kindzu, o Amok Teatro aborda o fantástico e explora a língua portuguesa, em diferentes sonoridades.



O espetáculo estreou no Rio de Janeiro em 2017 e recebeu 13 indicações aos mais importantes prêmios do teatro: Prêmio Shell de direção (Ana Teixeira e Stephane Brodt), ator (Thiago Catarino), música (Stéphane Brodt e atores), Prêmio Cesgranrio de melhor direção e melhor espetáculo, Prêmio Botequim Cultural de melhor espetáculo, atriz (Graciana Valladares), atriz coadjuvante (Luciana Lopes), autor (Ana Teixeira e Stpehane Brodt pela adaptação do texto) e Prêmio APTR de melhor atriz coadjuvante (Luciana Lopes), de melhor ator coadjuvante (Gustavo Damasceno), melhor ator coadjuvante (Stephane Brodt) e melhor música (Stephane Brodt).




Ainda na passagem do Amok Teatro por São Paulo, a diretora do espetáculo, Ana Teixeira, vai ministrar de 16 a 18 de fevereiro de 2018, a oficina ‘Treinamento-Improvisação - Os Caminhos do Ator no Amok Teatro’ que propõe um olhar sobre a improvisação no jogo do ator, como um caminho que articula técnica e organicidade. Trata-se de uma prática teatral, onde o corpo do ator não é visto somente como um instrumento atlético, mas também como um reservatório de sensações que determinam as ações, fazendo coincidir interioridade com exterioridade. Uma educação dos meios de expressão do ator que oferece um suporte concreto à sua capacidade de criação.




O Treinamento também tem por objetivo, desenvolver a presença cênica do ator, conhecer e edificar sua individualidade, acessar uma determinada linguagem cênica ou ainda, auxiliar diretores e atores na investigação de processos poético-pedagógicos.

Sobre o Amok Teatro
Dirigido por Ana Teixeira e Stephane Brodt, o Amok Teatro caracteriza-se pela dedicação a um processo contínuo de pesquisa sobre a arte do ator e as possibilidades de encenação. Desde sua fundação em 1998, o grupo tem recebido por seus espetáculos diversos prêmios do teatro nacional e um grande reconhecimento da crítica e do público, sendo considerada hoje, uma das companhias de maior prestígio da cena carioca contemporânea.
Além do Brasil, o Amok vem se destacando na China, onde se apresenta desde 2014, tendo participado de festivais em Pequim, Xangai, Nanquim, Wuhan, Shenzhen, Hangzhou e Yangzhou. Além dos espetáculos, o grupo também compartilha na China a sua experiência pedagógica, tendo já ministrado oficinas na Universidade de Pequim. 

Os processos de criação e formação estão profundamente ligados nos trabalhos do Amok Teatro. A pedagogia responde à necessidade de promover uma dimensão do teatro que não se limita a produção de espetáculos e busca transmitir valores artísticos que não têm como único objetivo os resultados.


FICHA TÉCNICA

OS CADERNOS DE KINDZU é uma criação do AMOK TEATRO, a partir da obra “Terra Sonâmbula” de MIA COUTO.
Direção, cenário e figurino: Ana Teixeira e Stéphane Brodt
Assistente de direção: Sandra Alencar
Atores: Graciana Valladares (Farida), Gustavo Damasceno (Romão Pinto e Anão Xipoco)Luciana Lopes (Mãe KindzuTia Euzinha e Juliana), ​Sergio Loureiro (Pai Kindzu e Quintinho) Thiago Catarino (Kindzu), Vanessa Dias (Assma, Anão Xipoco e Virgínia) e Stephane Brodt (Surendra)
Luz: Renato Machado
Direção musical: Stéphane Brodt
Música (criação e interpretação): o elenco
Operação de Luz: Maurício Fuziyama
Coordenação administrativa: Eureka Ideias/​Sonia Dantas

SERVIÇO
OS CADERNOS DE KINDZU
Dias: 01, 02, 03, 04, 15, 16, 17 e 18 de fevereiro de 2018
Quinta à domingo, às 19h15
Caixa Cultural São Paulo
Duração: 130 min/ Recomendação: 16 anos/ Capacidade: 80 lugares
Informações: 11 3321-4400
GRÁTIS (limitado a um par por pessoa)
Bilheteria: a partir das 9h do dia do evento

OFICINA
Treinamento-Improvisação 
Os Caminhos do Ator no Amok Teatrocom a diretora Ana Teixeira
Data:  16 a 18 de fevereiro de 2018
Horário: 14h às 18h
Duração Total: 12 horas
Público: interessados acima de 18 anos
Inscrições: enviar currículo com, no máximo, 10 linhas para o e-mail: oficina@amokteatro.com.braté o dia 09/02
Capacidade: 22 pessoas

Informações à imprensa
Canal Aberto Assessoria de Imprensa
Márcia Marques | Daniele Valério
Fones: 11 2914 0770 | Celular: 11 9 9126 0425