EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Memórias da Diáspora Africana no Brasil






Nessa sexta, 15 de dezembro, das 10h às 19h
no Arquivo Nacional

O Arquivo Nacional, em conjunto com a Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial, vai promover um mapeamento nacional de arquivos e coleções relacionados à diversidade cultural brasileira, iniciando-se com os acervos referentes à diáspora africana no Brasil, em consonância com a Década Internacional de Afrodescendentes (2015-2024) instituída pela ONU. 





Na ocasião, o anteprojeto será apresentado com espaço para debate. O evento contará também com rodas de conversa com a presença de ativistas e personalidades do movimento negro, exposição de fotografias, exibição de filme e apresentação cultural.

Prog
ramação:
10h | Abertura
- Carolina Chaves de Azevedo / Diretora-Geral do Arquivo Nacional
- Bruno Machado Tete / Diretor de Promoção da Igualdade Racial da Secretaria Nacional de Políticas de Promoção da Igualdade Racial - SEPPIR/MDH
Suzana Mattos / Gestora do Projeto Sebrae Moda Afro do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas - Sebrae
10h30 | Roda de conversa 
Apresentação do Anteprojeto Memórias da Diáspora Africana no Brasil e recebimento de contribuições para elaboração dos documentos relacionados ao projeto.

Babalawo Ivanir dos Santos 

Mediação: Ivanir dos Santos - Coordenador do Comitê do Programa Arquivos da Diversidade / Diego Barbosa da Silva - Coordenador-Geral de Acesso e Difusão Documental e Andrea Valetim Alves Ferreira - Coordenadora-Geral do Sistema Nacional de Promoção da Igualdade Racial da SEPPIR/MDH
14h | Roda de conversa
Personalidades e militantes de movimentos sociais e coletivos negros
- Amauri Mendes Pereira - Professor Adjunto do DTPE-IE-UFRRJ e do PPGEduc- Programa de Pós-Graduação em Educação da UFRRJ. Foi Presidente do Instituto de Pesquisa das Culturas Negras e Diretor da Associação Brasileira de Pesquisadores Negros.
Mara Montalvão - Iyalorixá Mara de Yemanjá. Administradora do Grupo Awure, estudiosa da ancestralidade feminina, estudande de ciências sociais, professora.
- R
ubem Confete - Ativista e estudioso das questões afrobrasileiras, cantor, compositor, jornalista, roteirista, teatrólogo, radialista, gráfico
Ruth Pinheiro - Militante, Gestora do Centro de Apoio ao Desenvolvimento Osvaldo dos Santos Neves - CADON e da Rede Brasil Afro-Empreendedor - REAFRO e representante brasileira no Comitê da Diáspora Africana para a Cultura e Desenvolvimento Econômico da UA
Mediação: Ivanir dos Santos / Diego Barbosa da Silva  
16h | Roda de conversa
Título: Afro empreendedorismo e ancestralidade: design, tecnologia e inovação de matriz afro-brasileira

- Julia Vidal - Designer de moda (Julia Vidal Etnias).
Jaciana Melquíades - Sócia-fundadora e Gestora da empresa de Impacto Social Era Uma Vez o Mundo (brinquedos educativos), integrante do Coletivo Meninas Black Power.
Ana Carolina da Hora - Sócia-fundadora da Olabi, organização social de produção de tecnologia.

Mediação: Suzana Mattos - Gestora do Projeto Sebrae Moda Afro

17h | Exibição do filme: 111 Tiros na Alma Negra
CULTNE CINEMA - O filme conta a mobilização da juventude negra em 03 de dezembro de 2015, em Madureira bairro da zona norte da cidade do Rio de Janeiro após a chacina onde 111 tiros foram disparados por policiais militares contra cinco jovens negros, e depois tentaram plantar uma arma no carro das vítimas. Os sonhos dos cinco rapazes foram interrompidos por mais de 100 tiros de fuzis e pistolas disparados pelos PMs do 41º BPM no dia 28 de Novembro de 2015. Seus caminhos cruzaram com o dos sete jovens, que voltavam de uma ida à lanchonete, depois de comemorarem o primeiro salário de Betinho durante o dia no Parque Madureira. Segundo a PM, 111 tiros foram disparados pelas armas dos policiais, 81 de fuzil e 30 de pistola. A chacina de Costa Barros, marcada pela execução brutal dos jovens Carlos Cleiton, Roberto, Wesley e Wilton pelas mãos de PMs do 41º BPM (Irajá) que tentaram depois da chacina plantar uma arma no carro das vítimas. Ficha Técnica: Documentário P&B Tempo: 19:44 Brasil - 2017 Direção: FILÓ FILHO / PEDRO OLIVEIRA Roteiro : FILÓ FILHO Produtora : CULTNE MÍDIA Produção : FILÓ FILHO, PEDRO OLIVEIRA, RICARDO BRASIL Fotografia: PEDRO OLIVEIRA Montagem/Editing: FILÓ FILHO / PEDRO OLIVEIRA Contato: ACERVO CULTNE

17h20 | Apresentação cultural
Afoxés Filhas e Filhos de Gandhi RJ
19h | Encerramento
Arquivo Nacional
Entrada Franca
Das: 10h ás 19h

segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

CAMINHOS DO SAMBA - DIA NACIONAL DO SAMBA



Dia 02 de Dezembro é comemorado o Dia Nacional do Samba, patrimônio cultural imaterial do país. E para celebrar com muito respeito e festa, o CCJ, localizado na Zona Norte, berço do samba na cidade, convida a todos para um encontro repleto de história, gente de bamba e é claro, muito samba.

O “Caminhos do Samba” traz uma programação diversa envolvendo oficinas, percussão, dança, mesa de debate, show e apresentação com quem realmente entende do assunto. 
Confira a programação completa e venha celebrar junto. 
Programação 

Das 11h00min as 13h00min - Bateria Mirim da Escola de Samba ISSO MEMO (Oficina de percussão para crianças) 
Das 13h00min as 15h00min - Baile de Samba Rock (Aula prática com Prof Mauricio)

Das 15h00min as 17h00min - Mesa de Debates - "Caminhos do Samba" com: Adyel Silva (Cantora Negra Referência de Samba da Década de 80), Moisés da Rocha ( Idealizador do Programa "O Samba Pede Passagem" na rádio USP), Osvaldinho da Cuíca (Fundador da Ala de Compositores da Escola de Samba Vai-Vai), Dentinho D'Oxossi (Pesquisador da Cultura Popular Brasileira com ênfase especial ao Samba Paulista) ,e Homenagem ao Sr. Carlão do Peruche (Um dos grandes mestres criadores do samba Paulistano vivo)

Das 18h00min as 21h00min - Grupo Balaio de Gato - Grupo com 30 anos de carreira dentre as vertentes do Samba Rock, Samba, Seresta e Chorinho.

Dia 16 de Dezembro de 2017. Livre para todos os públicos.


Qualquer dúvida, encontro a disposição
Att,




Rede Record consegue adiar novamente o julgamento do direito de resposta das religiões afro-brasileiras





Audiência que seria dia 14  deve ocorrer apenas em fevereiro de 2018
  
São Paulo – A ação que julgaria, no dia 14 de dezembro, o recurso solicitado pela Rede Record ao TRF - Tribunal Regional Federal contra a sentença que assegurou 16 horas de direito de resposta às Religiões Afro-brasileiras foi adiada para fevereiro de 2018. A petição causou descontentamento em líderes religiosos, pois o processo se arrasta há 12 anos, sem que as ofensas sejam reparadas. Em uma petição enviada no último dia 1 de dezembro, à Desembargadora Consuelo Yoshida, da 6a. turma do TRF - 3a. Região, os advogados que defendem a emissora, alegaram que o patrono da Record TV, Marco Cordeiro, estará em viagem ao exterior, portanto impossibilitado de comparecer na sessão, que estava previamente marcada. 

O processo, que corre na justiça desde 2005, é movido pela CEERT - Centro de Estudos das Relações de Trabalho e Desigualdades e pelo INTERCAB - Instituto Nacional da Tradição e Cultura Afro-Brasileira contra a emissora, que promoveu ofensas às religiões de origem africanas, veiculadas no programa “Mistérios” e no quadro “Sessão de Descarrego, usando termos pejorativos para se referir às religiões, como encosto, demônios, espíritos do mal, bruxaria e feitiçaria, além da palavra “macumba”.

Os advogados Dr. Hédio Silva Junior, Dr. Antonio Basílio Filho e Dr. Jader Freire de Macedo Junior são os juristas responsáveis pela ação e visam garantir o direito de resposta que a emissora parece ignorar. A Constituição prevê, no Capítulo I, dos Direitos e Deveres Individuais e Coletivos, Art.5o, inciso V: "É assegurado o direito de resposta, proporcional ao agravo, além da indenização por dano material, moral ou à imagem". A lei garante ainda que, no caso da TV ou rádio, a resposta deverá ter a mesma duração da matéria original. O ofendido poderá requerer resposta ou retificação divulgada, publicada ou transmitida nos mesmos espaços, dias da semana e horários do agravo. O alcance também deverá ser correspondente. Qualquer divulgação, publicação ou transmissão que desobedeça essas normas será considerada inexistente.

Religiosos de matriz africanas não entendem, porém, por que algo previsto na Constituição Federal e que já teve uma sentença firmada pelo juiz em 2005, não foi cumprida até hoje. São quase 13 anos de um direito negado, dando ainda mais força para a crescente intolerância religiosa no país.

No entanto, praticantes das religiões afro-brasileiras garantem que esse adiamento não os farão desistir e estão se mobilizando para comparecerem em massa na audiência em fevereiro, para que o Tribunal mantenha a sentença e garanta o direito de resposta imediatamente.

DR. HÉDIO SILVA JR. é advogado e ativista histórico. Foi secretário da Justiça do Estado de São Paulo e é um dos mais respeitados  defensores da cultura e das religiões de matrizes africanas. Em 2016, foi homenageado com o Troféu Asé Isesé (A força dos nossos ancestrais) conferido pelo Centro Cultural Africano à lideranças religiosas e personalidades públicas que se destacam na luta contra a intolerância religiosa.

Informações à Imprensa
Central de Comunicação

quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

OS CRESPOS APRESENTAM "ENSAIO SOBRE CAROLINA" - GRATUITO



Fonte : SMB - Sistema Municipal de Bibliotecas / Fotos: Os Crespos

Ensaio Sobre Carolina é um discurso-canto-narrativa, Inspirado no livro “Quarto de Despejo” da escritora Carolina Maria de Jesus. Atores e espectadores formam um campo público, misturados, sentados em cadeiras velhas, cheias de histórias, como as do barraco de Carolina. A luz “caseira” ilumina a proximidade entre atores e plateia, e no entre corpos emerge a interrogação sobre os vestígios dos dias de vida dos “marginalizados” na cidade, através do olhar e da fala de uma catadora de papel sobre sua realidade e convívio na sociedade brasileira. Da fome à popularidade instantânea, o talento e a sobrevivência das “carolinas” do Brasil: seus sonhos, Seus amores e sua luta.

AGENDA 

Dia 09 de dezembro às 11h - Biblioteca Álvaro Guerra 
Preço: Gratis
Endereço: Pedroso de Moraes, 1919

Dia 10 de dezembro às 11h - Biblioteca Padre José de Anchieta
Preço: Gratis
Endereço: R. Antônio Maia, 651, Perus. são paulo 

Dia 16 de dezembro às 11h - Biblioteca Nuto Sant’anna 

Preço: Gratis
Endereço: Pça Tenório Aguiar, 32


Dia 16 de dezembro às 14h - Biblioteca Sylvia Orthof



Preço: Gratis
Endereço: Av. Tucuruvi, 808


Dia 17 de dezembro às 11h - Biblioteca Hans Christian Andersen
Preço: Gratis
Endereço: Av. Celso Garcia, 4142


Sidney Santiago Kuanza











Carolina Maria de Jesus



Carolina Maria de Jesus - Foto : Audálio Dantas


Carolina Maria de Jesus nasceu em 1914, em Sacramento, Minas Gerais. De família pobre, ela cursou somente os primeiros anos do primário, e se mudou para São Paulo em 1937, onde trabalhou como doméstica e catadora de papel.
Nesse período, ela mantinha consigo inúmeros diários onde relatava o seu dia a dia como moradora da favela do Canindé.
Em 1958, ao fazer uma reportagem no Canindé, o jornalista Audálio Dantas conheceu Carolina e leu seus 35 diários. Dois anos depois, ele publicou um dos diários com o título de Quarto de Despejo: Diário de uma Favelada. A obra vendeu mais de 100 mil exemplares em 40 países e foi traduzida em 13 línguas.
Em 1961, Carolina de Jesus lançou Casa de Alvenaria: Diário de uma Ex-faveladae, no ano seguinte, publicou Pedaços da Fome, seu único romance.
Depois de desentendimentos com editores, em 1969, a escritora saiu de São Paulo e mudou-se para um sítio. Morreu em 1977, aos 62 anos, de volta à pobreza.

Africa Arte YoonWi Sampa- Edição Natal SP





Virou tradição! 
Pelo segundo ano consecutivo, a África Arte estará em SP no natal para atender seu imenso público de Sampa. 
Estaremos na capital paulista nos dias 15, 16 e 17 de Dezembro. Como sempre, faremos todos esforços para levar ao nosso fiel público de sampa o melhor da Arte e Moda africana. 

O endereço é Centro Cultural Cecília. Fica na Rua Vitorino Carmilo, 449, Santa Cecília.
Confirme sua presença, convide seus amigos a familiares e participe aos nossos sorteios e promoções.

segunda-feira, 4 de dezembro de 2017

Companhia de Danças de Diadema realiza a 20ª edição do Cirandança


Cirandança - foto de 2011 -divulgaçãoCirandança - foto de 2015 -divulgação -b Cirandança - foto de 2013, por Osmar Lucas -b Cirandança - foto de 2015 -divulgação -1b

Evento reúne mais de 750 participantes, entre alunos, artistas orientadores e agentes culturais,
em três dias de apresentações grátis, iniciando no dia do aniversário de Diadema, 8 de dezembro.

Fonte: Eliane Verbena  / Fotos :Osmar Lucas e Renata Boniol

O Cirandança, tradicional evento na cidade de Diadema, comemora 20 anos em 2017 com apresentações nos dias 8, 9 e 10 de dezembro – sexta-feira (às 20h), sábado e domingo (às 19h) – no Centro Cultural Diadema (Teatro Clara Nunes). A cada dia acontece um espetáculo diferente, com entrada franca.

O evento encerra as atividades do Programa de Oficinas de Dança desenvolvido, durante ano de 2017, pela Secretaria Municipal de Cultura de Diadema, e ministradas pelos bailarinos educadores da Companhia de Danças de Diadema. “O desejo de reunir os participantes desse projeto nasceu 20 anos atrás e vem se concretizando, anualmente, com a realização do Cirandança”, comenta a diretora da Companhia de Danças de Diadema, Ana Bottosso.


20º Cirandança envolve cerca de 750 pessoas - alunos de todas as faixas etárias - crianças com mais de seis anos, jovens, adultos e idosos (todos participantes das oficinas), artistas orientadores da Companhia e agentes os centros culturais da cidade -, além de centenas de familiares e amigos dos alunos que lotam a plateia em todas as apresentações. 





A cada edição, um assunto é eleito para o desenvolvimento das coreografias: cada turma mostra no palco, pelos movimentos da dança, o resultado da inspiração ou leitura feita do tema adotado. Muitos temas nortearam o Cirandança nessas duas décadas. “Dançamos Villa Lobos, Luiz Gonzaga e Monteiro Lobato, voamos com Santos Dumont, brincamos com o Menino Maluquinho, embrenhamo-nos nas lendas brasileiras, rimos e nos emocionamos com Charlie Chaplin. Enfim, viajamos pelo universo por meio da dança”, relembra Ana Bottosso.



A diretora conta que a celebração dos 20 anos faz um passeio pelos temas já explorados, além de conter novidades. “Este espetáculo comemora o aniversário do Cirandança, e também faz uma reverência às artes, em especial à dança, registrando a alegria que é a possibilidade de dançar e de poder inserir a dança na educação e na vida das pessoas”, completa Ana.






Tanto a concepção quanto a criação dos espetáculos contam com a participação de todos os integrantes, de forma integrativa e colaborativa, reafirmando a importância da troca de experiências que contribui para o crescimento pessoal e para o aprendizado de vida de cada um. Durante as oficinas de dança, eles também recebem outras orientações sobre o universo de um espetáculo, noções de iluminação, trilha sonora, posicionamento no palco, figurino, acessórios cênicos, contato com a plateia. Com o evento os alunos têm a oportunidade de mostrar o resultado das oficinas de dança com o requinte de ocuparem o palco mais importante de Diadema, o Teatro Clara Nunes.



A realização do Cirandança é da Secretaria Municipal de Cultura de Diadema, Associação Projeto Brasileiro de Dança e Companhia de Danças de Diadema. O projeto conta também com o apoio cultural da Waelzholz Brasmetal, Fisio&Forma e Capézio.


Ficha técnica

Coordenação geral: Ana Bottosso. Produção administrativa: Ton Carbones. Assistência de produção: Daniela Garcia e Renato Alves. Artistas orientadores: Allan Marcelino, Ana Bottosso, Carolini Piovani, Daniele Santos, Danielle Rodrigues, Elton de Souza, Fernando Gomes, Keila Akemi, Leonardo Carvajal, Thaís Lima, Ton Carbones e Zezinho Alves. Iluminação: Cleiton Martins de Freitas, Ingrid Helena e Companhia de Danças de Diadema. Sonoplastia: José de Paula Diniz (Maravilha) e Companhia de Danças de Diadema. Cenário e adereços: Companhia de Danças de Diadema. Filmagem e edição: Cristina Ávila. Art designer: Klinger.

Serviço

Espetáculo: Cirandança – 20 Anos
Com alunos do Programa de Oficinas de Danças de Diadema e Companhia de Danças de Diadema
Dias 8, 9 e 10 de dezembro de 2017
Sexta (às 20h). Sábado e domingo (às 19h)
Teatro Clara Nunes - Centro Cultural Diadema
Rua Graciosa, 300. Centro, Diadema. Tel: (11) 4056-3366
Entrada franca (chegar com 1h de antecedência) – Classificação: Livre. 370 lugares

iv>

A marca carioca Plástico Bolha Store marca presença nos dias 1, 2 e 3, no Circuito Moda Carioca, na Casa da Marquesa de Santos, em São Cristóvão

Fonte : Rozangela Silva 

Tendência, criatividade e ousadia. Essa é a proposta da Plástico Bolha Store, a marca carioca está confirmadíssima nesta Edição Especial de Natal, desse fim de semana. 
Plástico Bolha Store – iniciativa é inovadora, a matéria prima é o plástico bolha colorido
 com duas densidades: A “Resistente” e a “Super Resistente”, com até 15 vezes mais
 espesso que o plástico bolha convencional, mas em nova versão e aprimorada,
e com um mundo de possibilidades. O empreendedor Daniel Wenna criou peças para 
decor, escritório, viagem, envelopes, mimos como toucas de banho, necessaires e outros.
O Projeto nasceu para transformar tudo em mais colorido e criativo. Os produtos
 integram de fato um novo conceito em design. A maleabilidade, cortes, detalhes e 
acabamento, resultam em peças que já viraram tendência. Todos os produtos têm
 aquela pegada carioca e fashionista. Diferentes de tudo que já viu, são fáceis de adquirir,
 no e-commerce e com entrega em todo o Brasil. https://plasticobolhastore.com.br