EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

segunda-feira, 16 de setembro de 2019


Palestra-performance aborda o corpo negro a partir do pensamento de Frantz Fanon


Com solo do guadalupense Médrick Varieux, O preto bonito está cagando para você, Madame! foi criada a partir do texto “A experiência vivida do negro”, capítulo do livro “Pele negra, máscaras brancas”, da autoria do influente pensador martiniquense da descolonização Frantz Fanon.



Na próxima sexta-feira (20), às 19h30, a Taanteatro Companhia apresenta a palestra-performance O preto bonito está cagando para você, Madame!, na Oficina Cultural Oswald de Andrade. A entrada é gratuita.

Com solo do guadalupense Médrick Varieux, a performance aborda o corpo negro a partir do texto “A experiência vivida do negro”, capítulo do livro “Pele negra, máscaras brancas”, da autoria do influente pensador martiniquense da descolonização Frantz Fanon (1925 a 1961).

Em diálogo com o público, a performance introduz à trajetória e obra do psiquiatra e filósofo Frantz Fanon. Sob a forma de um testemunho e de uma confissão, traz o relato de uma a vida conflituosa e de uma consciência que se descobre negra ao entrar no mundo e encontrar a si mesma.



A performance O preto bonito está cagando pra você, Madame! faz parte do Fórum de Ecoperformance, proposto pela Taanteatro Companhia por ocasião do projeto [des]colonizações. Contemplado pela 25ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo, [des]colonizações investiga a aplicação de estudos pós-coloniais na criação teatro-coreográfica.

Médrick Varieux é filósofo, escritor e ator. Nasceu em Guadalupe, ilha francesa no Caribe, onde começou a atuar numa peça reunindo textos de autores caribenhos como Aimé Césaire e Maryse Condé, sob a direção da atriz e diretora Esther Myrtil. Formado pela Universidade Panthéon-Sorbonne, e doutorando pela UFRJ, desenvolve no Brasil uma dupla pesquisa teórica e artística sobre as possibilidades de renovação estética e política da cultura afrodiásporica.




Serviço:
Palestra-performance O preto bonito está cagando pra você, Madame!
Dia 20 de setembro, sexta-feira, às 19h30
30 lugares
Os ingressos são distribuídos com 1 hora de antecedência.
Gratuito
Duração: 90 minutos
Classificação 12 anos
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade - Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro - São
Paulo/SP
Informações: Tel: (11) 3222-2662

Estreia / Comédia - Este Corpo que Não Te Pertence

Comédia Este Corpo que Não Te Pertence estreia
no Espaço Parlapatões com a Cia. dos Bonitos



Cia. dos Bonitos estreia o espetáculo Este Corpo que Não Te Pertence no dia 24 de setembro (terça) no Espaço Parlapatões, às 21 horas. Com texto e direção de Djalma Lima, a comédia conta a hilária história de um militar idoso que planeja trocar de corpo com seu sobrinho jovem por meio de um beijo.


Um jogo ágil e divertido se estabelece entre atores Cleber ToliniEdson GonçalvezRick ConteVan Manga e Vânia Bowê. Todos interpretam todas as personagens de forma inesperada e surpreendente. A temporada de Este Corpo que Não Te Pertence segue até o dia 29 de outubro com sessões sempre às terças-feiras, às 21 horas.

Mascarenhas é um general aposentado e rico que pretende voltar a ser jovem. Para isso, ele planeja trocar de corpo com o ingênuo Henrique, seu jovem sobrinho, e contrata uma mãe de santo que tem o poder de fazer a troca de corpos por meio de um beijo. Paralelamente, a esposa infiel do militar se une ao médico da família para seduzir o rapaz, envenenar o marido e ficar com toda a fortuna. Sem saber dos planos, o sobrinho comparece a uma leitura do testamento do general, em vida, ignorando que seu corpo seja o objeto mais desejado da noite. Sem condições físicas de beijar o sobrinho à força, o general acaba trocando de corpo com outras pessoas, descobrindo seus segredos e verdadeiras intenções.

Desde 2005, a Cia. dos Bonitos se destaca pela produção de comédias. Suas montagens exploram todos os gêneros, desde a comédia de costumes às sátiras e aos experimentos inusitados, usando de referências pops e propondo à plateia um jogo vivo e participativo que valoriza o trabalho do ator e sua capacidade cômica. Seus espetáculos são: Smack! Foi um Beijo Tipo Assim...! (2008), Eu não matei P... Maluf! (2010), Como Adestrar um Chefe Selvagem (2013), Bom Dia Patrão (2016) e Este Corpo que Não Te Pertence (2019).

FICHA TÉCNICA – Texto e direção: Djalma Lima. Elenco: Cleber Tolini, Edson Gonçalvez, Rick Conte, Van Manga e Vânia Bow. Cenário e figurino: o grupo. Fotografia e arte gráfica: Fernando Allexandrino. Realização: Cia. dos Bonitos. Produção: Cia. dos Bonitos e Juliana Domingues Produções.

Nas redes:
Instagram: @estecorpoquenao

Serviço

Espetáculo: Este Corpo que Não Te Pertence
Estreia: 24 de setembro - Terça, às 21h
Temporada: 24 de setembro a 29 de outubro – Terças, às 21h
Gênero: Comédia. Duração: 70min. Classificação: 12 anos
Ingressos: R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia)
Bilheteria: terça a domingo, a partir das 16h.
Ingressos antecipados: www.sampaingressos.com.br e www.sympla.com.br

Espaço Parlapatões
Praça Franklin Roosevelt, 158 – Consolação. SP/SP
Tel: (11) 3258-4449 - http://parlapatoes.com.br
Acessibilidade. Ar condicionado. 100 lugares.

A Festa – Estratégias Musicais para Sobreviver

Espetáculo inédito encenado pelo Núcleo Experimental de Artes Cênicas do Sesi-SP, tem a música e a celebração como mote de suas histórias

Peça no SESI AE Carvalho, na zona leste de São Paulo, reaviva a celebração presencial em contraposição às presenças virtuais.
Uma imagem contendo pessoa, criança

Descrição gerada automaticamente
Figura 1 - Cena do espetáculo A Festa – Estratégias Musicais para Sobreviver - Foto Sergio Silva

São Paulo, setembro de 2019 – Inspirado no filme O Baile, de Ettore Scola, o espetáculo A Festa – Estratégias Musicais para Sobreviver, com direção de Claudia Schapira e elenco do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do SESI-SP, estreia no Teatro do SESI AE Carvalho, dia 20 de setembro (sexta), às 20h. Com sete apresentações, sempre de quinta a domingo, a curta temporada vai até o dia 29 na unidade, mas ganha novas sessões no SESI São Bernardo (de 3 a 6 de outubro) e no SESI Mauá (5 a 7 de dezembro). A entrada é gratuita e os ingressos podem ser reservados pelo Meu SESI, em www.sesisp.org.br/meu-sesi.
Tudo se passa em um baile, onde pessoas vão para dançar, mas o DJ não aparece. Com esta ausência, os convidados vão, um a um, colocando suas músicas preferidas para tocar. Assim começa a festa, que se apoia na estrutura de depoimentos pessoais e histórias de vida, a partir da linguagem do hip-hop como fio condutor da narrativa.
Nesse contexto, A Festa – Estratégia Musicais para Sobreviver se transforma em um lugar de acontecimentos: uma encenação que flerta com o teatro-dança, onde diferentes personas desfilam por esta pista de dança e a transformam em um ponto de encontro de histórias vividas.


Claudia Schapira, do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos – Coletivo Paulistano de Teatro Hip-Hop, foi convidada para dirigir o espetáculo inédito com o elenco do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do SESI-SP, programa que promove um espaço de pesquisa e aprimoramento de investigação do trabalho do ator. A diretora também divide a dramaturgia com o elenco de 14 artistas, e assina, junto com Isabela Lourenço, o figurino. A direção musical é do Eugênio Lima e Dani Nega, o cenário é de Bianca Turner.

Sobre o Núcleo Experimental de Artes Cênicas do SESI-SP
O Núcleo Experimental de Artes Cênicas SESI-SP, criado em 2001, é um espaço de aprimoramento artístico e profissional de jovens atores, sob orientação de renomados profissionais das artes cênicas. Atualmente coordenado por Miriam Rinaldi, o curso, com duração de 10 meses, é composto por uma série de atividades como aulas práticas, treinamento em viewpoints, palestras e compartilhamentos com o público ministrada por um grupo de renomados profissionais e pesquisadores das artes cênicas.




Ficha Técnica
Direção Geral: Claudia Schapira | Dramaturgia: Claudia Schapira em parceria com atrizes e atores | Direção Musical: Eugênio Lima e Dani Nega | Direção de Movimento e Coreografias: Luaa Gabanini | Métricas de Spoken Word: Dani Nega | Elenco: Arno Afonso, Beatriz Barros, Bianca Tocaccelli Sisto, Camila Rios, Giulia Fontes, Gustavo Braunstein, Gustavo Gusmão, Letícia Rodrigues, Luiza Moreira Salles, Jackson França, Julia Pedreira, Maia De Paiva, Paulo Eduardo Rosa e Thaís Peixoto – atrizes e atores do Núcleo Experimental de Artes Cênicas do SESI-SP | Figurino: Claudia Schapira e Isabela Lourenço | Cenário: Bianca Turner | Assistente de Direção: Maria Eugênia Portolano | Visagismo:  Isabela Lourenço | Criação de Luz: Matheus Brant | Artista Gráfico: Murilo Thaveira | Engenharia de Som: Eugênio Lima | Técnicos de Som: Viviane Barbosa, Leonardo Tardelli E Bruna Laleska | Produção: Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e Contorno Produções | Direção de Produção: Mariza Dantas | Produção Executiva: Jessica Rodrigues e Victória Martinez | Assistência de Produção: Leticia Gonzalez e Layla Medeiros | Realização: SESI-SP

SERVIÇO
A Festa – Estratégias Musicais para SobreviverDuração: 90 minutos
Classificação indicativa: 14 anos
Gênero: Musicado Juvenil
Entrada gratuita – Reservas antecipadas pelo Meu SESI (
www.sesisp.org.br/meu-sesi)

SESI AE Carvalho
de 20 a 29 de setembro de 2019
quinta a sábado, 20h e domingo, 19h
R. Deodato Saraiva da Silva, 110 - Parque Paineiras/ SP

SESI São Bernardo do Campode 3 a 6 de outubro de 2019
quinta a sábado, 20h e domingo, 19h
R. Suécia, 900 – Assunção - São Bernardo do Campo/ SP

SESI Mauáde 5 a 7 de dezembro de 2019
quinta a sábado, 20h
Av. Pres. Castelo Branco, 237 - Jardim Zaira, Mauá/ SP


SESI-SP Cultura www.sesisp.org.br/cultura
Jornalistas: Arlete Rodrigues Vasconcelos, Emanuel Galdino e Karina Costa
Apoio de Atendimento: Jacqueline Magnani, Stefany Cardoso e Barbara Contiero
(11) 3146-7411/ 7683/7381

P&G: faz video que mostra o desconforto de pessoas brancas com nossa presença



Credits: https://bit.ly/2ROKd7T Join Us: Facebook: https://www.facebook.com/aobpage/

Não tem como não nos identificarmos com uma ou mais situações apontadas nesse vídeo feito
pela P&G.

Nossa presença incomoda, amedronta, constrange e tudo se resume em  uma palavra muito 
conhecida por nós, pessoas pretas : RACISMO.

A P&G mostra como é nosso cotidiano no meio de pessoas brancas, que às vezes até fingem suportar nossa presença, mas notamos em pequenos gestos ou não, que não nos querem perto. 


Assistam o vídeo. Amei o final!







sexta-feira, 13 de setembro de 2019

Peça de Vianninha dirigida por Sérgio Ferrara
na Escola Wolf Maya faz homenagem à Antunes

Com direção de Sérgio Ferrara, o espetáculo Nossa Vida Em Família estreia no dia 20 de setembro, sexta-feira, no Teatro Nair Bello, às 21 horas. A peça é um estudo sobre a obra de Oduvaldo Vianna Filho, um dos expoentes da dramaturgia brasileira, que tem no elenco os formandos da Turma M6C da Escola de Atores Wolf Maya.



A temporada vai até o dia 29 de setembro com sessões às sextas-feiras e aos sábados, às 21 horas, e aos domingos, às 19 horas.

Esta montagem dá sequência a um panorama do teatro brasileiro que o diretor tem apresentado nos espetáculos que vem dirigindo na Escola Wolf Maya. O primeiro autor a ser encenado no projeto foi Mauro Rasi (A Cerimônia do Adeus), seguido por Dias Gomes (O Bem Amado) e Plínio Marcos (Homens de Papel).

Nossa Vida em Família estreou em março de 1972, no Teatro Itália, em São Paulo, com direção de Antunes Filho, falecido em maio deste ano, aos 89 anos. O espetáculo é uma homenagem que Ferrara e o elenco fazem ao diretor. “Precisamos reverenciar o importante trabalho que Antunes desenvolveu como diretor e pesquisador artístico. E trabalhar com um texto de Vianninha, cuja primeira montagem foi pelas mãos de Antunes, é uma boa maneira de mantermos vivas essas duas histórias do teatro brasileiro”, comenta Sérgio Ferrara.

No enredo, o casal de idosos Seu Souza e Dona Lu reúne os filhos em um almoço de domingo em sua casa, em Miguel Pereira, interior do Rio de Janeiro, para lhes comunicar que terão de deixar a casa onde viveram até então. O espectador atento perceberá com facilidade que a peça tem como fio condutor e objetivo central uma crítica social. Mesmo que não esteja tão evidente, a principal questão que conduz a história é o baixo poder aquisitivo da maioria da população brasileira. Nesse caso, exemplificado pela família Sousa, que se depara com o problema financeiro enfrentado pelo casal. Sousa é a personagem que traz à tona o debate sobre a condição do idoso e ao mesmo tempo denuncia os inversos valores do mundo capitalista, ou seja, as concepções morais como a ética e o trabalho, que não garantem um futuro digno e estável. Apesar disso, a personagem não perde seu senso de humor e não se esquece de gozar a vida, mesmo que esta esteja derrotada.



Oduvaldo Vianna Filho (Vianinha) - Autor e ator carioca, Oduvaldo Vianna Filho (1936-1974) personifica a trajetória de uma luta contra o imperialismo cultural. Sua dramaturgia coloca em cena a realidade brasileira por meio do homem simples e trabalhador. Filho do importante dramaturgo Oduvaldo Vianna, passou a ser chamado de Vianinha pela classe teatral e imprensa. Ao lado de Gianfrancesco Guarnieri e Augusto Boal, foi um dos principais nomes do Teatro de Arena, em São Paulo, no final da década de 1950, e também participou da fundação do Centro Popular de Cultura (CPC) e do Grupo Opinião, no Rio de Janeiro, na década de 1960. Escreveu 17 peças, além de roteiros para a televisão, destacando-se no teatro os textos Chapetuba Futebol ClubeMoço em Estado de SítioSe Correr o Bicho Pega, se Ficar o Bicho Come (com Ferreira Gullar), Papa HiguirteA Longa Noite de CristalCorpo a Corpo e Rasga Coração. Na televisão, as estórias O MatadorO Morto do Encantado, adaptação de Medéia (de Eurípedes) e episódios da série A Grande Família estão entre as principais realizações de Vianinha. Para o cinema, escreveu o roteiro de O Casal, filmado por Daniel Filho, em 1975, com José Wilker e Sônia Braga no elenco. Ele buscou imprimir sentido político à sua notável produção intelectual, vinculando-a, desde os primeiros escritos, aos deserdados, aos oprimidos e aos derrotados.



Ficha técnica - Autor: Oduvaldo Vianna Filho (um estudo da obra). Direção: Sérgio Ferrara. Preparação vocal: Edi Montecchi. Preparação corporal: André Pottes. Criação De Luz: Rodrigo Alves ‘Salsicha’. Figurino: Raphael Moretto. Operação de som: Elder Freitas. Assistência de direção: André Pottes, Elder Freitas, Francine Mello, Giovanna Kuczynski, Lucas Marques, Nanda Barroso e Raphael Moretto. Produção executiva: Maristela Bueno. Produção: Rodrigo Trevisan e Renato Campagnoli. Designer gráfico: Felipe Barros. Coordenação pedagógica: Josemir Kowalick. Coordenação geral: Hudson Glauber. Realização: Escola de Atores Wolf Maya.

Elenco (Turma M6C): Alexandre Bitencourt, Angel Takeda, Ariel Crepaldi, Arthur Bandeira, Chase Hoffman, Enrique Henriquez, Gabriel Stacio, Gustavo Cortez, Hellen Miranda, Igor Lima, Karol Mendes, Larissa Taytie, Lucas Valente, Nathalia Mota, Renato Mascarenhas, Stephany Poncio, Tatiane Tovani, Thalía Melo e Victor Gomes.




Serviço

Espetáculo: Nossa Vida em Famila
Estreia: 20 de setembro. Sexta, às 21h
Temporada: de 20 a 29 de setembro/2019
Sextas e sábados, às 21h, e domingos, às 19h
Ingressos: R$ 30,00 (valor único) - Vendas na bilheteria do teatro.
Duração: 90min. Gênero: Drama. Não recomendado para menores de 12 anos.
Bilheteria: quarta a sábado (15h às 21h) e domingo (15h às 19h).

Teatro Nair Bello
Rua Frei Caneca, 569 - Shopping Frei Caneca, 3º Piso. Centro - SP/SP.
Tel: (11) 3472-2442. Capacidade: 201 lugares.
Ar condicionado. Acessibilidade.
Facebook e Twitter @escolawolfmaya

Grátis! Teatro no Ipiranga - O Buraco d'Oráculo e Cia Mundu Rodá

Em setembro, O Buraco d’Oráculo encerra
sua Circulação-Residência no bairro Ipiranga





 Iniciada em outubro de 2018, a Circulação-Residência do grupo O Buraco d’Oráculo chega ao final, em setembro, realizando esta última parceria com a Cia. Mundu Rodá.

Com entrada franca, os espetáculos acontecem entre os dias 21 e 29 de setembro, no espaço da Mundu Rodá, localizado no bairro Ipiranga, à Rua Southey, número 106, e também na Praça Pinheiro da Cunha.

São quatro espetáculos na programação: O Buraco d’Oráculo encena O Encantamento da Rabeca (dia 21/09), O Cuscuz Fedegoso (dia 22/09) e Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro! (dia 29/09); e a Cia. Mundu Rodá entra em cena com Memórias da Rabeca (dia 28/09).

A Circulação - Residência é parte do projeto Buraco 20 Anos: da (R)existência na Rua à Poesia em Cena, contemplado pela 32ª Edição do Programa de Fomento ao Teatro Para a Cidade de São Paulo. Em outubro de 2018, a circulação iniciou no Parque São Rafael, junto ao Grupo Rosas Periféricas; e em 2019, aportou em Cidade Tiradentes com o Circo Teatro Palombar, em Perus com o Teatro Pandora, no Campo Limpo com o Bando Trapos e na Cidade Patriarca com o Dolores Boca Aberta Mecatrônica de Artes. O objetivo do Buraco d’Oráculo é promover uma circulação de teatro, a partir do próprio repertório, em territórios de companhias parceiras e, juntos, comandarem um período de programação local.




Programação

Dia 21 de setembro. Sexta, às 19h
Local: Espaço da Cia. Mundu Rodá
Espetáculo: O Encantamento da Rabeca
Com O Buraco d’Oráculo

Sinopse: O Encantamento da rabeca conta histórias de transformações vividas por mulheres brincantes - que cantam, tocam instrumentos e dançam, utilizando bonecos e máscaras com intuito de revelar o protagonismo, a fragilidade, a força e a resistência de mulheres em terreno originalmente masculino.

Ficha técnica - Direção: Lu Coelho. Texto: Lu Coelho com colaboração de Pablo Dantas e Cleydson Catarina. Elenco: Lu Coelho e Nataly Oliveira. Duração: 50 min. Classificação: Livre.

Dia 22 de setembro. Domingo às 16h
Local: Praça Pinheiro da Cunha
Espetáculo: O Cuscuz Fedegoso
Copm Buraco d’Oráculo

Sinopse: Entre os quitutes vendidos por Dona Maria está um cuscuz feito com fedegoso, um matinho cheiroso, mas que não faz lá muito sucesso. Um belo dia, ela oferece a iguaria a um pedinte que, para não pagar pelo alimento, finge passar mal.

Ficha técnica - Direção: Elizete Gomes. Texto: Edson Paulo. Elenco: Lu Coelho, Mizael Alves, Nataly Oliveira e Edson Paulo. Duração: 50 min. Classificação: Livre.

Dia 28 de setembro. Sábado, às 19h
Local: Espaço da Cia.. Mundu Rodá
Espetáculo: Memórias da Rabeca
Com Cia. Mundo Rodá



Sinopse: Tantos ‘Brasis’ em um só pedaço de madeira. O espetáculo da  Cia. Mundu Rodá é uma obra de resistência poética, na qual o ator e músico Alício Amaral revela memórias guardadas por sete rabecas por meio do diálogo entre o teatro, a música e a dança. São
memórias que atravessam o tempo e o espaço, e colocam em foco as dinâmicas das relações entre homem e rabeca, dando voz a fatos históricos que fazem parte da construção da identidade cultural brasileira. A rabeca torna-se os pés e as mãos do homem que a toca, e o homem torna-se a vibração de suas cordas e sua música. Um espetáculo teatral para escutar, através da palavra, do som e do corpo.

Ficha técnica: Direção: Juliana Pardo. Intérprete, composição e direção musical: Alício Amaral. Dramaturgia: Cia. Mundu Rodá. Cenografia e figurino: Eliseu Weide. Iluminação: Eduardo Albergaria. Fotos: Daniel Cunha. Colaboração/provocação artística: Jussara Miller, Roberta Carreri (Odin Teatret) e Luiz Fiaminghi. Orientação/rabequeiros tradicionais: Zé Pereira, João Firmino, Agostinho Gomes, Zé Lucas, Carlos Raymundo, Benedito Nunes, Oswaldo Curió, Luiz Paixão, Nelson da Rabeca e Damião. Colaboração - causo Receita de Pacto: Paulo Freire. Duração: 60 min. Classificação: Livre.

Dia 29 de setembro. Domingo, às 17h
Local: Praça Pinheiro da Cunha
Espetáculo: Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro
Com O Buraco d’Oráculo

Sinopse: Pelas Ordens do Rei Que Pede Socorro! é uma intervenção teatral que utiliza a poesia como forma dramatúrgica. Baseando nos princípios da “cenopoesia” em que imagens, gestos, canções e palavras se misturam para completar um todo. O Buraco d’Oráculo leva à cena um recorte de poemas por meio de cenas fragmentadas que transitam entre o cômico e o dramático com leveza poética, mas também de forma contundente, tocando em temas do nosso cotidiano e de nossa sociedade.

Ficha técnica - Texto: Ray Lima. Direção: Elizete Gomes. Elenco: Luiza Galavotti, Lu Coelho, Mizael Alves, Nataly Oliveira e Edson Paulo. Duração: 50 min. Classificação: Livre.

Serviço

Circulação-Residência / O Buraco d’Oráculo
Dias 21, 22, 28 e 29 de setembro de 2019
Horários: sábados (às 19h) e domingos (às 17h)
Grátis. Livre.
Informações / Circulação - Residência: (11) 98152-4483

Espaço da Cia Mondu Rodá
Rua Southey, 160 - Ipiranga. SP/SP.
Praça Pinheiro da Cunha. Ipiranga. SP/SP.




Os grupos

O Buraco d’Oráculo - O Buraco d’Oráculo nasceu em 1998, com o intuito de fazer um teatro que discutisse o homem urbano contemporâneo e seus problemas. Desta forma, e desde o inicio, optou pelo teatro de rua, pois esta é a maneira mais efetiva que encontrou de compartilhar momentos de reflexão e afetividade por meio de sua arte. O trabalho do grupo é calcado em três pontos fundamentais: a rua, como local para promover o encontro direto com o publico; a cultura popular, como fonte inspiradora de criação e; a Cenopoesia, um processo artistico que visa uma possibilidade de mudança nas relações sociais. Desde a formação, o grupo produziu 11 espetáculos nos quais busca manter essas propostas.

Cia. Mundu Rodá A Cia. Mundu Rodá de Teatro Físico e Dança (SP), fundada em 2000 por Juliana Pardo e Alício Amaral, possui uma linguagem cênica própria a partir da observação, do contato e do diálogo com as danças tradicionais brasileiras e o trabalho do ator/músico/bailarino. A partir de pesquisas de campo e intercâmbios com artistas de diferentes áreas, a Cia. trabalha na criação de uma metodologia de preparação e encenação do artista intérprete que dá destaque às corporeidades brasileiras. Os princípios físicos e energéticos que constituem as danças tradicionais brasileiras, assim como o estudo biomecânico do corpo-brincador, permeiam os trabalhos da Cia. Mundu Rodá.