EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Dida Bar Brindando 10 anos do livro "Um defeito de cor", de Ana Maria Gonçalves

Ana Maria Gonçalves (Foto: Divulgação)

Fonte: Rozangela Silva



Para comemorar uma década de vida do romance histórico "Um defeito de cor", as mulheres do blog Conversa de Historiadoras e do Grupo Intelectuais Negras UFRJ, convidam a escritora Ana Maria Gonçalves para um bate-papo sobre experiências como leitoras do livro, e ao mesmo tempo que pesquisadoras da escravidão, das relações raciais e de gênero no Brasil e na África. 

Em celebração ao papel político que as festas representam na história do Brasil, escolheram como cenário, o Dida Bar, incrível quituteira e afro empreendedora, tal qual Kehinde - protagonista de "Um defeito de cor". E sempre atentas aos diversos sentidos de intelectualidade para as mulheres negras, a dança, a música e a literatura feminina também estão presentes e garantidas na programação.
PROGRAMAÇÃO 
17h - Mulheres Incríveis: olhares e vozes com Elaine Marcelina
17h30 - PAPO DE BAR: Conversas I com Keila Grinberg, Hebe Mattos e Ana Flavia Magalhães Pinto
18h30 - PAPO DE BAR: Conversas II com Mônica Lima, Martha Abreu e Giovana Xavier
19h30 - Debate com o público
20h30 - ENCERRAMENTO: Performance Negra: uma homenagem a Ana Maria Gonçalves, com Gabriela Zirigidum


E para anoite de quarta, assim com Kehinde, Dida tem uma boa mão para quitutes, e traz o petisco Cestinha de Hauçá, criado especialmente para o Comida di Buteco, em homenagem aos Hauçás (grupo também mencionado por Ana Maria Conçalves, no livro). Kehinde também esteve entre os Hauçás durante suas vivências na Bahia, grupo originalmente presente na Nigéria, Níger e adjacências.

Sobre o livro :



Lançado em 2006, o livro "Um Defeito de Cor", da mineira Ana Maria Gonçalves.. A publicação recebeu elogios rasgados de Millôr Fernandes, Antonio Risério e outros figurões. Trata-se da saga de um negra, idosa e cega, que vem da África para o Brasil, décadas depois, em busca de seu filho perdido.há décadas. Ao longo da travessia, ela vai contando sua vida, marcada por mortes, estupros, violência e escravidão. Neste romance, os fatos históricos estão imersos no cotidiano e na vida dos personagens, criando a saga emocionante e verossímil da história de Kehinde

Dida Bar e Restaurante
Rua Barão de Iguatemi, 408 / Praça da Bandeira
Telefone: 2504 0841
Aberto de: terça e quarta: das 12h até 0h / quinta, sexta e sábado: das 12h até 0h. E domingo: das 12h até 20h
Formas de Pagamento: Cartões de débito: Visa e Mastercard
Cartão de Credito: Visa e Mastercard / Ticket Restaurante / Sodexo / Alelo
Capacidade: 40 lugares (sentados)​



Nenhum comentário:

Postar um comentário