EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quarta-feira, 25 de setembro de 2019

Teatro | Enquanto Ela Dormia, do Teatro da Vertigem, volta em temporada gratuita


Estreada em 2017 no Sesi SP e indicada ao prêmio Shell por sua cenografia, a peça evidencia os dramas do abuso feminino e do despotismo da sociedade em relação ao gênero

1_ENQUANTO_ELA_DORMIA_foto_Mayra_Azzi
Em cena, a atriz Lucienne Guedes - Foto Mayra Azzi

“(...) O ônibus não 'tava’ tão cheio. Ele não precisava 'tá’ tão grudado em mim. Eu olhei pra cara dele. Ele fingiu que não viu e continuou se roçando no meu braço. Eu tirei o braço. Guardei o livro. Me levantei(...)” Trecho do espetáculo


O espetáculo Enquanto Ela Dormia, do Teatro da Vertigem, volta em temporada gratuita a partir de 27 de setembro de 2019 na sede do grupo, na Bela Vista (Rua Treze de Maio, nº 240, 1º andar, São Paulo, SP). A peça tem direção de Eliana Monteiro, dramaturgia de Carol Pitzer e atuação de Lucienne Guedes. A peça estrou em julho de 2017 no Sesi SP, foi indicada na categoria cenografia no Prêmio Shell em 2018 e fez, desde então, inúmeras apresentações por diversos bairros da capital paulista.
Contemplada na 9ª edição do Prêmio Zé Renato, a peça faz parte da programação do projeto Teatros em Movimento, que prevê a circulação de companhias teatrais, seus trabalhos e processos criativos pelas sedes de outros grupos, em diferentes bairros da capital paulista. Desta forma, o intercâmbio se dá em mão dupla: assim como o Enquanto Ela Dormia vai para os bairros, a Bela Vista recebe, em 2020, o Grupo Pandora de Teatro, de Perus, com Comum, e o Núcleo Tumulto, da Vila Guilherme, com Pepe, o Hipopótamo.





Enquanto Ela Dormia - A partir de uma pesquisa sobre a violência contra a mulher e as relações de poder entre os gêneros, o processo de criação da peça “Enquanto Ela Dormia” foi norteado por visitas às delegacias e pelas escutas de depoimentos de vítimas. O monólogo parte de uma linha cronológica das dores do feminino, como, por exemplo, os pés de lótus das mulheres chinesas e a expulsão da deusa Lilith do Paraíso.
“O texto ganha densidade quando entrega ao espectador a tarefa de compor uma aproximação entre ambos. Gera um estado de suspensão que permite à plateia uma apropriação sensorial do material. Uma nuvem de tensão parece se inflar no ar e torná-lo temporariamente mais denso e custoso para a respiração. Tal atmosfera, contudo, se esvai nos momentos de concretude do texto, em que a autora revela sua ânsia por conclusões”.
Gabriela Mellão, para a Revista Bravo
O espetáculo é inspirado na primeira versão de “A Bela Adormecida”, de 1648, e coloca em cena a personagem Dora, uma professora de literatura, que presencia uma cena de abuso em um ônibus e sofre ao relembrar os traumas de infância. Para a diretora, “o espetáculo é um mergulho na geografia da dor das mulheres e uma provocação ao que está acontecendo na nossa sociedade”.
O argumento do texto nasceu do relato de uma amiga à dramaturga, que começou então a observar os abusos diários vividos pelas mulheres e a se questionar sobre os mecanismos usados para minimizar, esconder, disfarçar, apagar essas violências. “Percebi que não só a sociedade nos cala, mas que nosso próprio corpo apaga certas lembranças dolorosas como forma de nos manter vivas”, conta Carol.
Para elaborar a encenação, a diretora propôs uma pesquisa artística a toda equipe de criação sobre três eixos temáticos. “O primeiro foi o dos contos de fadas, que participam da construção do imaginário universal do feminino. Outro eixo pesquisado foram as histórias de amputações as quais a mulher foi submetida para caber em uma sociedade patriarcal. E por último, as memórias de uma história de amor”, explica Eliana.
Fruto de um processo colaborativo, a peça Enquanto Ela Dormia apresenta uma investigação no campo das artes plásticas e da fotografia, em especial a obra da fotógrafa norte-americana Francesca Woodman.




Sinopse
Enquanto Ela Dormia conta a história de Dora, personagem submetida a convenções sociais predominantemente formuladas pelo gênero masculino. Quando motivada por acontecimentos cotidianos, Dora traz à tona seus próprios traumas, frutos de uma sociedade patriarcal enraizada. O espetáculo aproxima o público do universo feminino ao demonstrar os abusos, violências e a constante marginalização social do gênero. O enredo desenvolve uma atmosfera dramática, que demonstra e reflete sobre questões da subjetividade da mulher.

Ficha Técnica
Diretora Artística: Eliana Monteiro
Diretor Técnico e Ligth Designer: Guilherme Bonfanti
Atriz: Lucienne Guedes
Dramaturgismo: Antonio Duran
Texto: Carol Pitzer
Operador de Som: José Mario Tomé e Nayara Konno
Diretor de Cena/Contrarregra: Evaristo Moura
Operadora de Vídeo: Aline Sayuri
Operador de Luz: Patricia Amorim
Montador de Luz: Diego Soares
Montador de Vídeo: Rodrigo Silbat
Trilha Sonora: Erico Theobaldo
Figurinista: Marichilene Artisevskis
Cenografia: Marisa Bentivegna
Produção Geral: Marcelo Leão
Fotos: Mayra Azzi 
Assessoria de Imprensa: Márcia Marques - Canal Aberto 




SERVIÇO
TEATROS EM MOVIMENTO

Enquanto Ela Dormia
De 27 de setembro a 24 de novembro de 2019
Sextas e sábados, às 21h e domingos, às 19h
Sede do Teatro da Vertigem
Rua Treze de Maio, 240, 1º andar – Bela Vista/ SP
Capacidade: 50 lugares / Duração: 70 min/ Recomendação: 16 anos
GRÁTIS.  Os ingressos são distribuídos 1h antes do início das apresentações.

Nenhum comentário:

Postar um comentário