EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

segunda-feira, 29 de julho de 2019

BHR protagonizou mesa de debate do lançamento do almanaque "O Conto dos Orixás", de Hugo Caneduto





Sexta, 26, , aconteceu mesa de debate, no ABHR SUDESTE . 
A mesa redonda com o tema Religiões, Democracia, Poder e as interfaces da Intolerância religiosa no Brasil, na ABHR SUDESTE,  foi realizada com pitadas de emoção, público vibrante e muitas descobertas interessantes,  ver que há um grupo querendo entender, atentos para teorias e teses que levam para grandes reflexões. 

E nada como vir  lardeado por feras como a Prof. Helena Theodoro, a Professora doutoranda Carolina Rocha (Dandara Suburbana) e ao Mestrando e Pastor Kleber Lucas.
"O intuito da mesa de debate serviu para fomentar diálogos plausíveis que possam fortalecer as nossas lutas e resistências contra as intolerâncias, racismo e todas as formas de preconceitos dentro e fora do espaço acadêmico. Daí a perspectiva, que foi convidar religiosos e religiosas que possam dar visibilidade para essa proposta", afirmou o Porf. Dr. (UFRJ) Babalawô Ivanir dos Santos, que compôs a mesa e fez a curadoria.



E para domingo, a agenda foi  pautada para o lançamento do almanaque "O Conto dos Orixás", de Hugo Caneduto. 




No domingo, 28, São Gonçalo recebeu Hugo Canuto, de 32 anos, vindo de Salvador para divulgar o lançamento do seu almanaque "O Conto dos Orixás" que mostra os orixás em formato de história em quadrinhos.
Foi uma tarde de autógrafos que aconteceu em um dos terreiros considerado referência cultural no Rio. Localizado em São Gonçalo, no bairro de Sacramento, o terreiro Egbe lle lya Omidaye Ase Obalayo, tem como objetivo valorizar a cultura dentro de um espaço onde a violência está presente.
Uma das organizadoras do evento, a produtora cultural Arethuza Doria, conta que o local do terreiro não é considerado área de risco mas que está rodeado de lugares que são. “Precisamos ocupar o espaço e preservar essa memória e tradições. Um provérbio que a gente gosta muito é “Onde há muita cultura a marginalidade não prevalece” e é isso que queremos levar”.



A tarde de autógrafos contou também com um momento de gastronomia, com degustação de entrada, refeição e drinks. A parte gastronômica ficou na responsabilidade do Quintal do Onilu. A programação contou ainda com uma apresentação musical de Danilo Dourado, que canta música popular brasileira.
A roda de conversa com o convidado teve início às 14h, e a produtora do evento ressalta que o autor Hugo Canuto faz questão de rodar o Brasil apresentando seu trabalho. “Por onde ele passa, dentro das comunidades de terreiro , ele fala dos orixás. Ele realmente fica muito feliz de poder mostrar essa visão”, revela ela.
O evento teve apoio da Secretaria Municipal Cultura e Turismo e a Fundação de Artes de São Gonçalo (FASG). A entrada é gratuita e o terreiro fica localizado na rua Dalmir da Silva, lote 10 - Sacramento/ São Gonçalo.
'Acredito que o trabalho do jovem Hugo Acredito, vem contribuir para a desconstrução das ideias colonialistas que tente a colocar a cultura africana como inferior. Além, é claro, valoriza aspectos culturas das tradições africanas no Brasil, que foram silenciadas ao longo do firmamento da sociedade brasileira", atesta Ivanir dos Santos.

Nenhum comentário:

Postar um comentário