EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

segunda-feira, 24 de junho de 2019

Estreia | Terror e Miséria no Terceiro Milênio | Sesc Bom Retiro | 28/06

Inspirada em peça de Bertolt Brecht, Núcleo Bartolomeu de Depoimentos estreia Terror e Miséria no Terceiro Milênio – Improvisando Utopias no Sesc Bom Retiro



Com direção de Claudia Schapira, o espetáculo coloca em cena um ensaio de uma peça e para tanto constrói um jogo cênico guiado por nove atores e dois DJs.
A dramaturgia parte de texto Terror e Miséria no Terceiro Reich, do artista alemão Bertolt Brecht, que discute o quadro social e político violento dos anos que antecederam a segunda guerra mundial

Fonte :Canal Aberto / Fotos : Sérgio Silva 

Com o objetivo de processar os tempos de agora, em que novos valores humanos provocam uma reação conservadora no Brasil e no mundo, o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos parte de uma leitura do dramaturgo Bertolt Brecht sobre a ascensão do fascismo/nazismo para criação da peça Terror e Miséria no Terceiro Milênio – Improvisando Utopias, que estreia dia 28 de junho, sexta-feira, 21h, no teatro do Sesc Bom Retiro.

No seu diário de trabalho, Brecht se refere ao texto Terror e Miséria no Terceiro Reich como um compêndio de gestos sociais capaz de exemplificar o contexto que se formou durante os anos que precederam a segunda guerra mundial e que resultaram na ascensão do fascismo/nazismo.

Inspirados por este compêndio, o grupo e a diretora Claudia Schapira buscam processar os tempos de agora: “Os novos valores humanos - que exigem mudanças profundas e estruturais - provocaram uma reação nacionalista, classista, seletiva, homofóbica e racista, que se agarra aos escombros de um mundo colonizado, branco e  hegemônico”, explica Claudia.



Para o processo artístico, promoveu-se um encontro entre os artistas do Núcleo Bartolomeu de Depoimentos e artistas parceiros especialmente convidados, para que juntos criassem um espetáculo capaz de evidenciar os atritos dessa reunião, dessa diversidade. “Juntamos pessoas brancas e negras, trouxemos o conflito pra dentro da cena. Essa situação está muito acirrada nestes tempos, tudo tem que ser revisto à luz da construção de uma nova humanidade, de uma real disparidade e dos mecanismos perversos que foram criados para o soerguimento de um mundo segregado e cheio de privilégios”, diz Claudia.

Seguindo a estrutura episódica do texto original – e somando a isso a realidade do Brasil atual -, foi construída uma dramaturgia fragmentada, entremeada de comentários, em que os atores em um ensaio de uma peça constroem e desconstroem imagens e narrativas, que se desmantelam diariamente.

Depois de Antígona Recortada (2013) - último espetáculo onde todos os componentes do grupo participaram juntos, que radicalizou a linguagem deste coletivo de teatro hip-hop e que lhes conferiu o Prêmio Governador do Estado - o grupo sentiu a necessidade do encontro com outros artistas, cada um com sua linguagem e com a sua visão de mundo, para a criação dessa nova obra.




SINOPSE

Nove atores e dois DJs ensaiam como se estivessem confinados em um teatro que lhes serve como uma espécie de fortaleza. Sentados em dois bancos, refletem e criam a partir Terror e Miséria no Terceiro Reich, de Bertolt Brecht, um disparador somado aos à realidade dos tempos atuais brasileiros. 

Assim, recortes e samples começam a surgir propostos pelos artistas na hora de improvisar. A partir dessas formulações, os embates acontecem e cada um vai assumindo uma visão de mundo, deixando evidente o que os une e o que os separa.  Como também esboçam utopias capazes de destituir o presente, e lançar para o futuro imagens de construção de um mundo mais igualitário e justo.

SOBRE O NÚCLEO BARTOLOMEU DE DEPOIMENTOS

O Núcleo Bartolomeu de Depoimentos, formado por Claudia Schapira, Eugênio Lima, Luaa Gabanini e Roberta Estrela D'Alva, nasceu no ano de 2000 e tem como pesquisa de linguagem o diálogo entre a cultura hip-hop, com a contundência da autorrepresentação como discurso artístico, e o teatro épico e seus recursos: o caráter narrativo, apoiado por uma dramaturgia que se configura depoimento do processo histórico; como instrumento que elucida uma concepção do mundo, e coloca o ator-narrador em face de si mesmo como objeto de pesquisa; como homem mutável; em processo, fruto do raciocínio, da reflexão.

Em 2000, estreia Bartolomeu, O Que Será que Nele Deu, o primeiro espetáculo do Núcleo, inspirado na obra de Herman Melville Bartleby, O Escriturário, e dirigido por Georgette Fadel. Acordei Que Sonhava, uma livre adaptação de A Vida É Sonho, de Calderón de la Barca, e segundo espetáculo da companhia, estreia em 2002, dirigido por Claudia Schapira.

Entre os anos de 2002 e 2003, o Núcleo desenvolve o projeto Urgência nas Ruas – obras-manifesto, intervenções pelas ruas de São Paulo. Esse projeto foi o primeiro a ser contemplados pela Lei de Fomento ao Teatro para a Cidade de São Paulo, fundamental e estruturante da pesquisa e obra do Núcleo.



Em 2006 estreia Frátria Amada Brasil - Pequeno Compêndio de Lendas Urbanas, espetáculo inspirado na Odisseia de Homero. Uma pequena odisseia, brasileira e nossa, fruto da vivência nas ruas e das personagens que nelas habitam, autores anônimos da história velada deste país.

O projeto 5 x 4 – Particularidades Coletivas, que teve sua estreia em junho de 2008, foi o resultado de um aprofundamento de elementos específicos da pesquisa da linguagem do teatro hip-hop, e gerou cinco espetáculos: Encontros Notáveis3x3 – Três DJs em busca do vinil perdidoManifesto de Passagem – 12 Passos em Direção à LuzVai te Catar! e Cindi Hip-Hop – Pequena Ópera Rap.

Em 2009, o Núcleo iniciou o projeto Pajelança de Kuarup no Congá, que depois de quase três anos de intensa pesquisa resulta no espetáculo Orfeu Mestiço, uma Hip-Hópera Brasileira, fazendo parte do trabalho ininterrupto deste coletivo por consolidar uma linguagem: o Teatro Hip-Hop.

Em 2013 estreia Antígona Recortada; Em 2014 estreia BadeRna, último espetáculo realizado na sede do grupo, que foi demolida pela Ink Incorporadora e todos seus associados, e se torna uma espécie de manifesto cênico, que reflete o cunho político que as ações do grupo assumem a partir da perda do seu "território cultural”.




Em 2015 no Teatro de Arena Eugênio Kusnet comemorando os 15 anos de grupo, realiza a Ocupação Arena Urbana - De onde viemos, para onde voltamos, que contou com a temporada de três obras inéditas: Memórias Impressas(instalação cênico-dramática sobre violência feminina), Olhos Serrados (um solo performativo que transita entre a palavra e o movimento) e 1, 2, 3 - Quando acaba começa tudo outra vez, marcando a incursão do grupo no universo do teatro infantil.

Em maio de 2016, estreia Cassandra – Na calada da voz, uma performance teatral, com uma plataforma que se modifica a cada apresentação, trazendo à luz da cena a violência infringida através dos tempos ao discurso feminino.

Além dos espetáculos, o Núcleo criou dois projetos permanentes que acontecem todos os meses: em 2008, ZAP! Zona Autônoma da Palavra, o primeiro poetry slam (campeonato de poesia) brasileiro, e em 2009, DCC – Dramaturgia Concisa e Contemporânea, um espaço dedicado à criação e debate sobre produção de textos cênicos curtos e inéditos.

FICHA TÉCNICA
Direção: Claudia Schapira
Dramaturgia: Claudia Schapira em colaboração com Lucienne Guedes e elenco
Inserções de poemas: Jairo pereira e Roberta Estrela D’Alva
Direção Musical: Eugênio Lima, Roberta Estrela D’Alva e Dani Nega
Direção de Movimento e Coreografias
: Luaa Gabanini
Assistência de Direção: Maria Eugenia Portolano
Atores mcs: Fernanda D’Umbra, Georgette Fadel, Jairo Pereira, Luaa Gabanini, Lucienne Guedes, Nilcéia Vicente, Roberta Estrela D’Alva, Sérgio Siviero e Vinícius Meloni.
Atores DJs: Dani Nega e Eugênio Lima
Vídeo-intervenção: Bianca Turner
Cenário: Bianca Turner e Claudia Schapira
Figurino: Claudia Schapira
Figurinista assistente: Isabela Lourenço
Kempô e Treinamento de Luta: Ciro Godói
Danças Urbanas: Flip Couto
Preparação Vocal: Andrea Drigo
Técnicas de spoken word: Roberta Estrela D’Alva
Iluminação: Carol Autran
Engenharia de Som: Eugênio Lima e Viviane Barbosa
Costureira: Cleusa Amaro da Silva Barbosa
Cenotécnico: Wanderley Wagner da Silva
Design gráfico:  Murilo Thaveira
Estagiárias: Isa Coser, Junaída Mendes, Maitê Arouca
Direção de Produção: Mariza Dantas
Produção Executiva: Victória Martinez, Jessica Rodrigues
e Núcleo Bartolomeu de Depoimentos
SERVIÇO
Terror e Miséria no Terceiro Milênio – Improvisando Utopias
De 28 de junho até 28 de julho
Sextas e sábados, às 21h e domingos, às 18h
Local: Sesc Bom Retiro (Rua Alameda Nothmann, nº 185).
Ingressos: R$ 20 (inteira), R$ 10 (meia) e R$ 6 (credencial plena).
Capacidade: 250 lugares.
Duração: 90 minutos. Classificação: 14 anos.

Assessoria de Imprensa
Canal Aberto
Márcia Marques | Daniele Valério
Contatos: (11) 2914 0770 | 9 9126 0425 | 9 8435 6614

Nenhum comentário:

Postar um comentário