EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

terça-feira, 12 de fevereiro de 2019

Gestos Coreográficos dá início em 15/02 com 'Konstituição em Segunda Instância', no Espaço Kasulo.

“Situações de Levante” é o mote proposto pelo bailarino e coreógrafo Wellington Duarte para a criação de Gestos Coreográficos, um projeto que agrega artistas de diversas gerações da dança de São Paulo


O livro Levantes, escrito pelo filósofo francês Georges Didi-Huberman, foi o material eleito como principal disparador da criação das ações dos Gestos Coreográficos na pesquisa sobre o corpo contemporâneo.


Foto Keiny Andrade (1).jpg
Foto: Keiny Andrade -  Ensaio de Konstituição em Segunda Instância, que tem direção de Sandro Borelli


Quais são as possibilidades da criação de um trabalho cênico a partir do tema Situações de Levante, ou seja, os modos de atuar na área da dança em um período político pouco favorável à arte? Como confrontar os modos de criação de cada companhia a partir de um tema e desdobrar essa ação em debates, espetáculos e partilha entre os artistas? Foi a partir desses e outros questionamentos que o Núcleo EntreTanto criou a ação Gestos Coreográficos parte do projeto Situações Coreográficas#Variação 3: uma coisa muda, contemplado pela 24ª edição do Programa Municipal de Fomento à Dança para a Cidade de São Paulo.

Konstituição em Segunda Instância, primeiro Gesto Coreográfico do projeto, será dirigido por Sandro Borelli com o Grupo Ca.Ja, com apresentações nos dias 15, 16 e 17 de fevereiro, sexta-feira à domingo, sexta e sábado as 20h e domingo as 19h, no Espaço Kasulo, sede da companhia da Cia Carne Agonizante.

Os outros artistas convidados são os coreógrafos Márcio Greyk e David Xavinho - diretores do grupo Zumbboys - e o Coletivo Autônomo Temporário (21 a 23 de março na Oficina Cultural Oswald de Andrade); a coreógrafa Helena Bastos - diretora do grupo Musicanoar - e o Núcleo Enxertia (3 a 5 de maio na Centro Cultural da Penha; e o coreógrafo Daniel Kairoz - diretor do Terreiro Coreográfico - e Núcleo KASA (31 de maio e 1º de junho na Sala Paissandu, na Galeria Olido). E uma apresentação com as quatro criações que acontece no dia 02 de junho na Sala Paissandu, na Galeria Olido.

Cada apresentação contempla um coreógrafo de trajetória consolidada na área e um grupo emergente, cujas atividades foram iniciadas nos últimos anos. Em junho haverá um encontro entre todos os participantes dos Gestos Coreográficos, com apresentações das quatro criações. O encerramento do projeto será marcado pela temporada de uma obra inédita do Núcleo EntreTanto a partir do tema que inspirou os outros grupos:Situações de Levante

Ainda sem data definida para a estreia, Wellington antecipa que a nova criação do Núcleo EntreTanto será certamente afetada pelas trocas e compartilhamentos realizados com os outros grupos. “Esses encontros também têm o objetivo de afetar o meu modo de construir, trabalhar, encontrar caminhos e refletir sobre as questões que desenvolvemos juntos nesse percurso”, afirma o bailarino, que irá participar de todos encontros dos grupos que resultarão na criação de cada gesto.

Sobre o projeto Gestos Coreográficos

Criação de coreografias a partir do tema Situações de Levante é a proposta de Wellington Duarte para discutir o corpo contemporâneo com artistas de diversas modalidades e gerações que estão em atividade na cidade de São Paulo. O livro Levantes, escrito pelo filósofo francês Georges Didi-Huberman, foi o material eleito como principal disparador da criação dos Gestos Coreográficos.



Como forma de reforço do tema proposto, os grupos também receberam uma série de indicações de filmes, vídeos, registros fotográficos de instalações de artes plásticas, fotografias históricas e textos que discutem de alguma forma “as situações de levante”.As linguagens dos oito grupos que integram o projeto são muito diferentes entre si e a proposta é observar como cada um deles constrói a sua dramaturgia e como é possível cada um se contaminar pela criação do outro. É importante que todos estejamos próximos - os mais novos e os mais velhos - e que criemos ações conjuntas e potentes”, afirma o artista.

Um ponto de convergência importante entre os grupos é a busca por alternativas para sustentar seus trabalhos e pesquisas artísticas no contexto político atual. “Fomos todos afetados violentamente pelo desmonte, não dá para ficar indiferente”, ressalta Wellington em referência à extinção do Ministério da Cultura e redução de editais e verbas destinadas à dança em São Paulo e também no Brasil.

O bailarino também reforça as maneiras com que cada grupo promove discussões políticas em seus trabalhos. “Enquanto Sandro Borelli trabalha a temática sociopolítica de forma mais explícita, o Zumbboys aborda o conteúdo na própria concepção da companhia, inspirada pela cultura urbana e pelo hip hop”, diz.



Entre as referências compartilhadas por Wellington com os grupos, estão o quadro Le Dompteur a étémangé, do pintor francês Jean Veber; a fotografia Sculpturemouvante ou La France, do fotógrafo americano Man Ray; a instalação Rotes Band (Red Tape) do artista visual suíço Roman Signer; a série de gravuras Los Caprichos,do artista espanhol Francisco Goya; a performance PassingThroughdo artista japonês Saburo Murakami; registros fotográficos de guerra do fotojornalista francês Gilles Caron; a performance visual Conde Ferreira, do diretor cinematográfico português Paulo Abreu; o filme Zero de Conduta, do diretor surrealista francês Jean Vigo e textos  da escritora e filósofa francesa Marie-José Mondzain, entre muitos outros disparadores artísticos e intelectuais sobre situações de levante.



Após cada apresentação haverá um conversa/bate papo com os integrantes dos grupos, Núcleo Entretanto e público. Toda a programação é gratuita.





Serviço

Gesto Coreográfico 1
Konstituição em segunda instância
Com Sandro Borelli (Carne Agonizante) e grupo Ca.Ja
Dias 15, 16 e 17 de fevereiro de 2019, sexta e sábado às 20h e domingo às 19h.
Local: Espaço Kasulo (Rua Souza Lima, 300 – Telefone: (011) 3666-7238 - Barra Funda)

Ficha Técnica
Coreógrafo do Konstituição em segunda instância: Sandro Borellli
Intérpretes: Aline Brasil, Bia Rangel, Camila Bosso, Donizeti Mazonas, Gustavo Muliterno, Luann Dias, Maria Basulto, Rafael Costa, Victor Pessoa e Vinicius Santi.
Produção: MoviCena Produções
Fotos: Keiny Andrade
Arte Gráfica: Fagus
Assessoria de Imprensa: Canal Aberto
Coordenação geral do projeto: Wellington Duarte
Assistente de Direção do Projeto: Rafael Costa

Gesto Coreográfico 2
Com Márcio Greyk e David Xavinho (Zumb.boys), e Coletivo Autônomo Temporário
Dias 21, 22 e 23 de março de 2019, quinta à sábado,
Local: Oficina Cultural Oswald de Andrade (Rua Três Rios, 363 - Bom Retiro)

Gesto Coreográfico 3
Com Helena Bastos (Musicanoar) e Núcleo Enxertia
Dias 26, 27 e 28 de abril de 2019, sexta à domingo
Local: Centro Cultural da Penha – Largo do Rosário, 20

Gesto Coreográfico 4
Com Daniel Kairoz (diretor do Terreiro Coreográfico) e Núcleo KASA
Dias 31 de maio e 1º de junho de 2019, sexta e sábado.
Local: Sala Paissandu -  Galeria Olido (Avenida São João, 473, Centro)

Apresentação dos 4 Gestos Coreográficos
Dia 2 de junho de 2019 – domingo
Local: Sala Paissandu -  Galeria Olido (Avenida São João, 473, Centro)

Nenhum comentário:

Postar um comentário