EM DIA:

BEM VINDA(O) E FIQUE POR DENTRO DE TUDO QUE ROLA COM A CULTURA , ARTE E O ARTISTA NEGRO AQUI NESSE BLOG"

quarta-feira, 12 de dezembro de 2018

CURSOS E OFICINAS - Programação Sesc Belenzinho – Dezembro/2018


Tecnologias e Artes

Curso: Vivências Têxteis: Aprofundamento de Técnicas no Tear de Pente Liço
Com Tiyoko Tomikawa

O curso apresenta técnicas tradicionais e contemporâneas de tapetes. 
Os participantes têm acesso à teoria e à prática nas urdideiras e teares de pente liço. 
São abordadas técnicas como Soumack, Kilin, Smirma, Nó turco, emendas e acabamentos.

Tiyoko Tomikawa: Ministra aulas de Arte Têxtil em teares manuais desde 1983. 
Com experiências na área aplicada e também artística. Participou de diversas exposições 
e treinamentos. Restaurações de Tapetes e Tapeçarias dos Palácios Bandeirantes em 
São Paulo e Boa Vista em Campos do Jordão - SP. Reprodução das Obras da Artista
 Charlotte Johanenssom para a 32ª Bienal de São Paulo - Incerteza Viva.

Duração: 14 encontros. Local: Oficina II.
Acima de 14 anos. Grátis.
Até 14/12. Sextas, das 14h às 17h.

Curso: Colorização Digital de Histórias em Quadrinhos
Com André Bernardino

O curso apresenta as possibilidades da colorização digital enquanto narrativa dentro do 
universo das histórias em quadrinhos, passando pelos estudos das cores, suas sensações 
psicológicas, além da introdução de técnicas digitais por meio de software livre.

André Bernardino: Formado em Artes visuais pela ECA/USP. Quadrinista profissional, 
pertenceu ao coletivo O Contínuo de quadrinhos independentes. É autor das graphic 
novels Santos, Um Time dos Céus e Uma Estrela na Escuridão, além de ter participado 
da coletânea Visões de Guerra. É ainda professor de Arte do ensino formal e em ateliês 
particulares.

Duração: 6 encontros. Local: Espaço de Tecnologias e Artes.
Acima de 12 anos. Grátis.
Até 14/12. Sextas, das 14h30 às 17h30.

Oficina: Desenho de Modelo Vivo – Corpos Diversos
Com Júnior Suci

Os participantes praticam e refletem sobre a linguagem de desenho de observação na 
temática do corpo humano por meio de modelos vivos de diferentes etnias, idades e 
estéticas.

Júnior Suci. Doutorando e mestre em Poéticas Visuais pela UNICAMP e graduado em 
Artes Plásticas pela UNESP. Realiza pesquisa e produção em desenho e vídeo. Dentre
 as principais mostras individuais: Performance pela Luz, no Centro Cultural São Paulo/SP 
(2009), Necessidade do Objeto, no Centro Universitário Maria Antônia/SP (2011) e 
Película, na Galeria Virgilio/SP (2012). Das coletivas recentes destacam-se a mostra 
O Agora, o Antes, no MAC USP Nova Sede/SP, a exposição The Letter, na Funarte MG/BH. 
Possui obras no acervo do MAC USP/SP, Galeria de Arte do IBEU/RJ, SESC Amapá/AP,
 dentre outros. Atualmente é representado pela galeria Virgilio, em São Paulo.

Obs.: É necessário conhecimento básico em desenho.
Duração: 1 encontro. Local: Oficina I.
Acima de 18 anos. Grátis.
16/12. Domingo, das 14h30 às 17h30.

Dança

Vivência: Bumbo Bolado Baque Virado
Com Cia. de Artes do Baque Bolado

Vivência dos diversos aspectos do samba de bumbo - batuque paulista considerado uma 
das principais influências do samba em nosso estado. Os participantes vão conhecer 
aspectos da dança, do ritmo, do canto, dos bonecos que acompanham os grupos no 
período de carnaval e principalmente da importância histórica que esta manifestação popular 
tem para a identidade cultural do nosso estado.

Há 21 anos no cenário artístico de São Paulo a Cia. de Artes do Baque Bolado faz parte do
 movimento cultural iniciado na década de 1980 e existente até os dias de hoje cujo
 objetivo é a pesquisa e a divulgação das diversas manifestações tradicionais existentes no
 Brasil.
Tal iniciativa é fomentada por uma concepção artística e histórica que ressalta a importância
 das tradições populares brasileiras, uma vez que estas são resultado do rico processo de 
sincretismo de diversas culturas, principalmente as de matriz africana, europeia e indígena,
 sendo, portanto, o retrato da formação sociocultural do país. O início de sua experiência
o grupo caracterizava -se pelo aprendizado musical de manifestações especificas, sendo 
sua maior fonte de pesquisa, o Maracatu de Baque Virado da Nação Estrela Brilhante e se
 reservava à execução de espetáculos com certo rigor em relação às manifestações 
tradicionais. Com o assar dos anos o coletivo passou a constituir seu próprio processo 
riativo, incorporando novas linguagens e formas de comunicação e expressão, o que 
resultou num conteúdo artístico transversal e contemporâneo. Esse processo criativo, 
embasado em um duplo pilar - a pesquisa das manifestações tradicionais brasileiras e a 
utilização de diversas formas artísticas fomentadas pessoal e coletivamente -, serviu de 
base para uma série de outros grupos, o que assegura sua posição de vanguarda. Por fim, 
mais do que expressão de um movimento único, a Cia. De Artes do Baque Bolado busca, 
ainda hoje, representar um movimento cultural que abre portas e desmistifica preconceitos, 
sendo fruto da necessidade de dançarinas, músicos, atrizes, artistas plásticos e circenses 
de brincar com a enorme fusão cultural deste país, aliando a multiplicidade da cultura 
popular à experiência de artistas que vivem numa das maiores metrópoles do mundo.

Local: Sala de Expressão Corporal 2.
Livre. Grátis.
16/12. Domingo, das 14h30 às 16h30.

CRIANÇAS

Artes Visuais

Oficina: Tramas e Teias: Alinhavando Fios da Imaginação
Com Coletivo BARCA
Intervenções no Espaço de Brincar: Bate Diferentes linguagens artísticas e brincadeiras 
coletivas, voltadas para a primeira infância.

Linhas que vêm e vão, tramando, desenhando e alinhavando fios da nossa imaginação. 
Com linhas, cores e papelão criaremos instalações cheias de formas, texturas, sons e 
movimentos, a partir das brincadeiras propostas coletivas e individuais.
A partir de papelão e fios variados, como barbante, lã, fio de malha, criaremos instalações
 com construções coletivas e individuais. "Desenhando com fios", teceremos formas, 
imagens, sons, cores, texturas e movimentos a partir das brincadeiras propostas.

Coletivo BARCA (Brincadeira+arte com crianças e afins): nasceu do encontro de três 
artistas educadoras que atuam conjuntamente desde 2015. Reunidas pelo interesse no 
universo do brincar e nas culturas da infância, cada educadora do coletivo atua em uma 
área artística diferente, como a dança, a música e as artes visuais, o que resulta em ações
 que envolvem múltiplas linguagens. Pesquisando o brincar como forma de ocupação 
no mundo, o coletivo desenvolve intervenções e oficinas em espaços culturais.

Local: Espaço de Brincar.
Livre. Grátis.
Até 30/12. Sábados e domingos, das 11h às 19h.
Até 28/12. Terças às sextas, das 12h às 19h.

Oficina: Criação de Personagens com Histórias
Com Marcos Felinto e Maysa Martins
Oficina Criança e Família: 
O Projeto se apresenta como uma proposta de experimentação 
das linguagens artísticas entre crianças e adultos.

Durante os encontros adultos e crianças irão explorar juntos o universo social e mítico de
 máscaras africanas e afro brasileiras a partir da mediação de leitura de livros da 
literatura infanto-juvenil. Inspirados nos autos populares, que organizam o enredo de 
celebrações como as de morte e ressureição do boi oferecemos um espaço para se 
brincar com máscaras e seres do imaginário encenados por cada participante.

Marcos Felinto é mediador de leitura e educador musical e produtor cultural, atualmente 
desenvolve atividades de facilitação com leitura e musicalização para crianças do ciclo 
infantil. Membro do Coletivo Sistema Negro sustenta diálogos focados na valorização da 
pessoa e das culturas negras, realiza produção musical e cultural, bem como, em conjunto
com as demais pessoas do coletivo, trabalha criações textuais com interesses na mediação de conflitos, diálogos restaurativos, representatividade e empoderamento da pessoa negra.

Maysa Martins é arte educadora e trabalha atualmente como educadora pesquisadora do 
Museu Afro Brasil, onde elabora visitas e oficinas e formações para crianças, adolescentes, 
adultos e professores com foco em arte, cultura e história africanas e afro brasileiras. Se 
dedica atualmente à pesquisa de arte tradicional africana e afrofuturismo.

Entrega de senhas no local com 30 minutos de antecedência.
Local: Sala de Oficinas 2 - 1º Pavimento.
Livre. Grátis.
Até 16/12. Sábados e domingos - das 11h às 13h, e das 14h30 às 16h30.

Serviço

Sesc Belenzinho
Endereço: Rua Padre Adelino, 1000
Belenzinho – São Paulo (SP). Telefone: (11) 2076-9700
www.sescsp.org.br/belenzinho

Estacionamento: Para espetáculos com venda de ingressos após as 17h: R$ 15,00 
(não matriculado); R$ 7,50 (credencial plena no SESC - trabalhador no comércio de bens,
 serviços e turismo/ usuário).



Nenhum comentário:

Postar um comentário