Rodas de Samba celebram a tradição viva e a resistência cultural no Sesc Santo André

  

Rodas de Samba celebram a tradição viva e a resistência cultural no Sesc Santo André

 

Do samba de terreiro ao pagode, a rica herança cultural do samba é apresentada em shows mensais gratuitos de grupos locais

 

Foto: Osmar de Moura 

Nascido no início do século XX, o samba tem suas raízes nas rodas de danças afro-brasileiras, e foi influenciado por batuques africanos e bailados indígenas, e foi se fortalecendo apesar da perseguição racial presente no período. Originalmente associado a festas, o termo "samba" vem da expressão africana "semba", que significa umbigada. Com o passar do tempo, o gênero se popularizou a partir das rádios e escolas de samba, tornando-se um ritmo emblemático da cultura brasileira, além de se espalhar e absorver influências regionais às suas múltiplas formas. Não foi diferente no ABCDMRR e suas fronteiras, onde território sempre foi fértil para sua difusão e amplificação, assim como ocorre frequentemente nos palcos do Sesc Santo André.

 

Dia 26 de junho, quarta-feira, fazendo parte do projeto mensal Rodas de Samba, a Lanchonete Externa recebe o grupo Cabeça de Área. Formado em Mauá, são conhecidos por preservar a tradição do samba com uma coletânea que inclui clássicos de compositores como Bezerra da Silva, Cartola e Cleber Augusto, convidando o público a conhecer a história e as músicas que abordam a resistência da periferia e sua importância na cultura do país. Já no dia 9 de julho, o grupo Resenha dos Sujos comandará a roda. Surgido a partir de encontros semanais em Diadema há 8 anos, o grupo busca informar e politizar seu público através de sambas com temáticas sociais, históricas e afro-brasileiras, preservando e propagando o gênero em suas mais diversas formas.

 

O projeto, realizado mensalmente no Sesc Santo André, celebra a diversidade presente neste fenômeno cultural, contemplando desde o samba de terreiro até o pagode, além de reunir compositores e instrumentistas que mantêm viva essa herança nos bairros, comunidades e quintais locais. As apresentações trazem repertórios que difundem o samba paulista, carioca e baiano, com arranjos e letras que refletem a autenticidade desses encontros tão tradicionalmente realizados em rodas, mantendo acesa a conexão do Sesc com o gênero musical, que traz em seu histórico de programações realizações como o projeto Entre Terreiros e Quintais, ocorrido em março de 2023, que foi sucesso de bilheteria em todas as apresentações e tem sua segunda edição prevista para novembro de 2024.

 

Programação:

 

Cabeça de Área (Mauá)

Samba de Comunidade


O Grupo Cabeça de Área se dedica à manutenção do samba, que sempre foi marginalizado e esquecido nos morros. No repertório o grupo apresenta clássicos de grandes maiores compositores como: Bezerra da Silva, Cartola, Cleber Augusto, Candeia, Wilson Simonal e entre outros. Este show é um convite para conhecer a história e a música que tematizam a resistência cultural da periferia, a luta contra o preconceito e a importância do samba para a vida do povo brasileiro.

Dia 26/6, quarta, das 20h às 21h30
Lanchonete Externa
Livre - Autoclassificação
Grátis - Sem retirada de ingressos.
 

SESC SANTO ANDRÉ 

Rua Tamarutaca, 302 – Vila Guiomar – Santo André

Telefone – (11) 4469-1200

Estacionamento Teatro: R$ 8,50 (Credencial Plena) e R$ 15,50 (outros).

Informações sobre outras programações:
Portal Sesc SP - Unidade Santo André

 

Comentários