Lançamento | Memórias, de Rubens Ricupero

 Memórias, de Rubens Ricupero, é um testemunho da história recente do Brasil

 

Ex-ministro da Fazenda e diplomata revela os bastidores do Plano Real e os momentos críticos que viveu no curso da história brasileira e mundial por mais de sete décadas

 

 

Rubens Ricupero inspirou-se nos cadernos em que sua mãe escreveu durante toda sua vida, as histórias da própria família, de imigrantes italianos, para evocar o bairro do Brás de sua infância, durante o Estado Novo e a Segunda Guerra. Entre suas primeiras lembranças, agosto de 1944, a comemoração no grupo escolar da Libertação de Paris. Agora, quando o Real completa 30 anos, Ricupero descreve – na condição privilegiada de ter sido ministro da Fazenda nesse período –, as pressões políticas e sociais que poderiam ter provocado o fracasso da moeda. Sua narrativa traz um novo dado – o da importância da comunicação com o público – por inúmeras mídias, rádio, televisão, entrevistas, as conversas que ocorreram junto ao homem comum, aos brasileiros nas ruas, com as donas de casa, para explicar o Plano Real, evidenciam que seu êxito se deu por essa profícua comunicação e não apenas pelos aspectos econômicos. São capítulos que se leem num crescendo de interesse e de tensão, com linguagem límpida e fluida, ritmada e bem articulada nas páginas de Memórias, de Rubens Ricupero, lançamento da Editora Unesp.
 

“Itamar chamava [Ricupero] de ‘Apóstolo do Real’, por passar um bom tempo a peregrinar pelo país, buscando adesões à causa da estabilidade [...]. Sem ele, muito dificilmente o Real teria obtido o apreço popular com tanta rapidez, a ponto de surpreender os próprios economistas, que esperavam um processo mais gradual na conquista de credibilidade da nova moeda”, afirma Maria Clara R. M. do Prado, em A real história do Real. “Ricupero foi, para muitos brasileiros, a cara do plano, a personificação da ideia da estabilização, a promessa de inflação baixa e de uma vida melhor.”
 

Em 1961, foi um dos primeiros voluntários a morar em Brasília, ainda em obras, e assistiu de perto a renúncia de Jânio, viveu a angústia do Golpe de 1964, sobreviveu às perseguições do Ato Institucional nº 1. Trabalhou com os chanceleres Afonso Arinos e San Tiago Dantas. Foi pioneiro no estabelecimento das relações culturais com a África, impulsionando o estudo dos temas afro-brasileiros. Quando voltou à cena pública ao fim do regime militar, escreveu, enquanto assessor internacional do presidente-eleito, Tancredo Neves, o Diário de Bordo: a viagem presidencial de Tancredo, um dos livros basilares para a compreensão desse grave período da história do Brasil. Em 1985, foi nomeado subchefe da Casa Civil, permanecendo como conselheiro de Sarney até ser nomeado chefe de missão junto à ONU, em Genebra, e ao GATT, que antecedeu a Organização Mundial de Comércio. Quando embaixador em Washington, Itamar o convocou para assumir o Ministério do Meio Ambiente e da Amazônia Legal, tendo deixado esse posto para substituir FHC como ministro da Fazenda, assumindo a complexa condução da preparação e lançamento do Real. Em suas memórias, Ricupero encara com franqueza o episódio da parabólica, sem autocomiseração ou fuga de responsabilidade.
 

Chefiou a missão brasileira junto à ONU em Genebra e no Conselho dos Direitos Humanos. Durante nove anos dirigiu a UNCTAD, no esforço de ajudar o desenvolvimento dos países mais pobres do mundo, sobretudo na África. Teve oportunidade de viver a essência da vocação diplomática traduzida na paixão pela diversidade das culturas e na compaixão pelo sofrimento dos pobres e vulneráveis. No recente período obscurantista pelo qual passou o país, defendeu a democracia e a diplomacia brasileira, no momento em que um “antiministro” ameaçava a continuidade dessa tradição. Seus relatos de viagens pelo mundo e pelos livros, enlaçam conhecimentos de literatura, poesia, cinema, o estudo avançado da história antiga e recente, na busca permanente pelo auto aperfeiçoamento. "Memórias” mais dos outros que de si próprio, as evocações revivem as pessoas extraordinárias que conheceu ou o marcaram - João Cabral, San Tiago, Vinícius Maria Werneck, Wladimir Murtinho e Tuni, Merquior, Fábio Konder Comparato, Nilo Scalzo, Dante Moreira Leite - em seu caminho percorrido ao lado de Marisa, numa união de 60 anos, alicerçada por sua fé religiosa.


Sobre o autor – Rubens Ricupero, São Paulo, 1937. Diplomata, professor, ocupou cargos de destaque como embaixador do Brasil em Washington e Roma, secretário-geral da UNCTAD, presidente de diversos organismos do GATT, chefe de delegações e missões junto à ONU, ministro do Meio Ambiente e da Amazônia assim como da Fazenda durante o governo Itamar Franco, titular da Cátedra José Bonifácio na USP, é autor de livros diversos destacando-se A diplomacia na construção do Brasil: 1750-2016, que recebeu o prêmio Senador José Ermírio de Moraes da Academia Brasileira de Letras.
 

Título: Memórias 
Autor: Rubens Ricupero
Número de páginas: 712
Formato: 15,5 x 22 cm
Preço: R$ 144
ISBN: 978-65-5711-231-1

Comentários